Minas registra a geração de 305 mil empregos formais em 2021

Minas registra a geração de 305 mil empregos formais em 2021

Minas Gerais fechou 2021 com a geração acumulada de 305.182 empregos formais, resultado da admissão de 2.202.162 trabalhadores e do desligamento de 1.896.980. Segundo dados do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, todos os setores registraram desempenho positivo, liderado por serviços (124.079), comércio (68.846), indústria (65.587), construção civil (31.804) e agropecuária (14.866).

“Após 11 resultados positivos na geração de emprego, a criação de mais de 300 mil postos de trabalho no acumulado de 2021 reflete uma trajetória de recuperação do mercado formal em Minas Gerais, motivada pelos setores de serviço e comércio, os principais atingidos no início da pandemia, o que traz as pespectivas de um cenário otimista para 2022”, avalia Amanda Siqueira Carvalho, diretora de Monitoramento e Articulação de Oportunidades de Trabalho, da Subsecretaria de Trabalho e Emprego da Secretaria de Estado de Desenvolvolvimento Social (Sedese).

Em dezembro do ano passado, o saldo de empregos formais no estado ficou negativo em 22.771, com 150.587 admissões e 173.358 desligamentos. O resultado é inferior tanto a novembro, que registrou saldo positivo de 21.240 empregos formais, quanto em relação a dezembro de 2020, quando o saldo ficou negativo em 11.946.

Numa análise setorial, em dezembro de 2021 apenas o setor de comércio teve saldo positivo, com a abertura de 2.970 vagas formais de trabalho.

Brasil

No Brasil, também em 2021, houve a geração de 2,73 milhões de empregos com carteira asssinada, com 20.699.802 contratações e 17.969.205 demissões. Assim como em Minas, o resultado apresentou uma  melhora em relação a 2020, quando foram fechadas 191.455 vagas formais.

Informações e Fotos: Agência Minas

Caged: Brasil gerou 2,7 milhões de empregos formais em 2021

Caged: Brasil gerou 2,7 milhões de empregos formais em 2021

O Brasil terminou o ano de 2021 com saldo positivo de 2.730.597 vagas de emprego com carteira de trabalho assinada. Ao longo do ano, foram registradas 20.699.802 admissões e 17.969.205 desligamentos. Os dados foram divulgados hoje (31) pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

Já o mês de dezembro registrou retração de 265.811 postos de trabalho. O número decorre de um total de 1.703.721 de desligamentos e de 1.437.910 admissões.

O estoque de empregos formais no país, que é a quantidade total de vínculos celetistas ativos, em dezembro, ficou em 41.289.692 vínculos, o que, segundo o ministério, representa uma queda de 0,64% em relação ao mês anterior.

Contratação temporária

De acordo com o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, o resultado para o mês de dezembro era esperado, uma vez que “como ocorre rotineiramente no Brasil, temos as comunicações de demissão principalmente daqueles funcionários que trabalham no regime temporário”.

“O saldo negativo faz parte fundamentalmente dos trabalhadores temporários. Mas esse saldo aplicado sobre o acumulado do ano nos dão saldo positivo na geração de empregos com carteira assinada no Brasil, da ordem de 2,7 milhões de postos de trabalho”, acrescentou ao destacar que desde o início do governo de Jair Bolsonar, o páis acumula saldo positivo de 3.183.221 novos postos de trabalho.

Dados por setor

No último mês de 2021, o saldo de empregos foi negativo em quatro dos cinco grupamentos de atividade econômica analisados. O único a apresentar saldo positivo (9.013 vagas) foi o de comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas.

O saldo da indústria ficou negativo em 92.047 vagas; o da construção perdeu 52.033 postos de trabalho; o de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura registrou uma queda de 26.073 vagas; e o de serviços diminuiu em 104.670 o saldo de empregos celetistas.

Regiões

As cinco regiões do país registraram saldo negativo, em dezembro, no número de empregos com carteira assinada. A região que perdeu mais vagas foi a Sudeste, com uma queda de 136.120 postos de trabalho (-0,64%).

A queda na Região Sul ficou em 78.882 vagas (-1,01%), enquanto nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte apresentaram saldos negativos de 21.476 (-0,61%); 15.823 (-0,23%); e 13.375 vagas (-0,68%), respectivamente.

Estados

Apenas duas unidades federativas apresentaram saldos positivos em dezembro de 2021: Alagoas (615 postos de trabalho); e Paraíba (61 postos).

Já os estados com menor saldo foram São Paulo, que registrou uma redução de 103.954 no número de empregos formais, seguido de Santa Catarina (-36.644 postos de trabalho); e do Paraná (-24.346 postos).

Salário médio

O salário médio de admissão registrado em dezembro foi de R$ 1.793,34. Na comparação com o mês anterior (novembro), o aumento real ficou em R$ 1,51, o que corresponde a alta de 0,08%.

Informações e Fotos: Agência Minas