“NÃO SE PRESERVA A MEMÓRIA DE UM POVO

SEM O REGISTRO DE SUA HISTÓRIA”

A dengue já matou 285 pessoas desde o início do ano no estado de São Paulo. Já os casos registrados da casos da doença ultrapassam 573 mil. O maior número de óbitos está na capital paulista, com 39, seguida de Guarulhos, na região metropolitana, com 26 casos – as duas cidades mais populosas do estado.

As informações são da Secretaria da Saúde paulista, que aponta esses números como os maiores em duas décadas.

Na capital paulista, apenas nove, dos 99 bairros, não entraram em epidemia de dengue, que acontece quando a taxa de incidência é de mais de 300 casos da doença por 100 mil habitantes.

A dengue é uma doença infecciosa transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, e causa dores no corpo, na cabeça e atrás dos olhos; febre alta, fraqueza, náuseas e vômitos.

Para o infectologista da Fiocruz, Rivaldo Venâncio da Cunha, as mortes por dengue poderiam ser evitadas. Segundo o médico, a simples hidratação, com ingestão de líquidos, resolveria boa parte dos casos.

A boa notícia para os paulistanos é que, desde a última quinta-feira (11), a vacina contra dengue está disponível em todas as unidades básicas de saúde da capital para a faixa etária dos 10 aos 14 anos. A cidade recebeu 185 mil doses do Ministério da Saúde.

Fonte e foto:  Agência Brasil