“NÃO SE PRESERVA A MEMÓRIA DE UM POVO

SEM O REGISTRO DE SUA HISTÓRIA”

Para manter os serviços de limpeza funcionando normalmente em Belo Horizonte durante o Carnaval, a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) montou uma operação especial para os dias de folia, com um acréscimo de aproximadamente 1.450 garis em seu efetivo, que vão atuar exclusivamente nos desfiles dos blocos.

Além da coleta e da varrição, as Unidades de Recebimento de Pequenos Volumes (URPV) também vão funcionar normalmente. Com isso, o contingente de garis responsáveis pela limpeza da cidade no dia a dia, em atividade como a coleta domiciliar de resíduos e a varrição, entre outros, não será alterado, o que vai garantir a continuidade dos serviços da forma habitual.

A exceção, de acordo com a Prefeitura de Belo Horizonte, será a coleta seletiva porta a porta, que será interrompida de sábado (10) até quarta-feira (14). Segundo a chefe do Departamento de Serviços de Limpeza Urbana da SLU, Erika Resende, o lixo domiciliar vai ser recolhido até mesmo nas vias onde ocorrerão os desfiles dos blocos.

“Caso a via esteja fechada, o caminhão vai parar no local mais próximo e os garis vão entrar no espaço a pé, para o recolhimento dos resíduos. É muito importante que a população exponha o lixo devidamente acondicionado no passeio, no horário e dia corretos”, explica Erika Resende.

Para a limpeza das vias nos desfiles do Carnaval, o contingente extra de garis vai estar presente em todas as regiões da cidade, acompanhando os deslocamentos dos foliões e os roteiros cadastrados pelos organizadores.

A limpeza será feita antes da passagem dos blocos, durante os desfiles e depois da dispersão dos foliões. Caminhões-pipa estarão disponíveis para as áreas que exigirem o serviço de lavação. Também serão disponibilizados, durante todos os dias de folia, contêineres para que as pessoas possam descartar seus resíduos.

“Vamos ter contêineres laranja espalhados em todos os blocos. O objetivo da SLU é que a cidade esteja limpa rapidamente após os eventos, tanto para o bem-estar dos foliões quanto para o dos demais cidadãos que não se envolvem com a festa”, garante Erika Resende.

Com informações da Prefeitura de Belo Horizonte

Foto: Pedro Antônio /PBH