“NÃO SE PRESERVA A MEMÓRIA DE UM POVO

SEM O REGISTRO DE SUA HISTÓRIA”

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que irá apurar possíveis irregularidades e ineficiência da gestão orçamentária e financeira do município de Extrema, conforme Requerimento 131/2024, foi composta pelos vereadores Pericle Mazzi Filho, Odirlei João de Morais e Edvaldo de Souza Santos Junior, conforme Portaria 39/2024.

O requerimento foi apresentado à Presidência da Câmara pelo vereador Edvaldo de Souza Santos Junior, após anúncio feito na tribuna da 9ª Sessão Ordinária que aconteceu na segunda-feira, dia 6 de maio, e contou com a assinatura dos vereadores Telma Aparecida Maciel, vice-presidente do Legislativo, Luiz Fernando Ferreira e Lúcio Mauro Chiaperini. Entre as justificativas para a abertura de CPI estão 27 obras paradas para serem entregues à população, como unidade básica de saúde dos bairros, obras no sistema viário, sede da Assistência Social, praça, entre outras. (Acompanhe algumas obras mencionadas abaixo).

Na segunda-feira, dia 13 de maio, foi realizada a primeira reunião para início dos trabalhos da Comissão, ficou decidido por unanimidade que o Presidente será o vereador Pericle Mazzi Filho e o Relator será o vereador Odirlei João de Morais. Já na terça-feira, dia 14 de maio, aconteceu a segunda reunião, com a presença dos vereadores Pericle Mazzi Filho e o vereador Edvaldo de Souza Santos Junior, tendo o vereador Odirlei João de Morais, justificado sua ausência por problemas de saúde familiar. Neste segundo encontro ficou definido o plano de trabalho e locais de visitação que, em breve, serão iniciadas, e as próximas reuniões que acontecerão nas segundas-feiras, 03 e 17 de junho às 10h no plenário da Câmara de Extrema. Uma reunião extraordinária foi marcada para o dia 10, às 18h30.

O processo envolve o prazo de 120 dias, conforme art. 34 da Lei Orgânica Municipal para execução dos trabalhos e apresentação do relatório conclusivo.

Fonte e fotos: Câmara de Extrema