“NÃO SE PRESERVA A MEMÓRIA DE UM POVO

SEM O REGISTRO DE SUA HISTÓRIA”

A Prefeitura de Betim declarou, nesta sexta-feira (26), situação de emergência no âmbito da saúde pública em razão do risco de epidemia de dengue e outras arboviroses na cidade. Segundo dados do setor de epidemiologia da secretaria de Saúde, o número de notificações de casos das doenças está em alta e a demanda por atendimento médico de pessoas com sintomas nas unidades de saúde está elevada.

Somente entre os dias 1º e 26 de janeiro, foram notificados 1.675 casos suspeitos de dengue e 61 de chikungunya.

O decreto nº 44.955, publicado no Órgão Oficial do Município, autoriza a adoção de medidas administrativas emergenciais para a contenção da epidemia, viabilizando ações para o combate ao mosquito Aedes aegypti – transmissor das arboviroses dengue, chikungunya e zika – e para o atendimento na rede de saúde de todas as pessoas infectadas.

Dentre as medidas previstas no decreto estão a aquisição em regime de urgência de insumos e materiais; a contratação temporária de serviços e de profissionais; e o remanejamento de servidores da Secretaria Municipal de Saúde necessários ao atendimento da situação emergencial.

A situação de emergência pública em saúde no município perdurará, conforme o decreto, enquanto não for estabilizada a situação sanitária das arboviroses.

O município já dispõe de um plano de contingência com ações e estratégias intersetoriais contra a dengue, no entanto o decreto de situação de emergência vai possibilitar que todas as medidas sejam implementadas de forma mais célere no intuito de controlar a epidemia.

Pacote de ações intersetoriais

A Prefeitura de Betim lançou, nessa quinta-feira (25), um pacote de ações e estratégias intersetoriais de combate às arboviroses transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, com ênfase especial à dengue, doença com maior incidência em todo o país e também na cidade. As iniciativas incluem o manejo clínico da enfermidade, o uso de tecnologias, o reforço da fiscalização, medidas de cunho educativo e mobilização popular mais ostensiva. O plano é uma resposta à curva epidemiológica registrada pela secretaria de Saúde nos últimos anos, sobretudo às projeções de contaminação pela dengue já apontadas para 2024 em ações de monitoramento realizadas pela pasta.

Dentre os fatores que nortearam a criação do pacote de ações estão os registros compilados pelo sistema de informação da Diretoria Operacional da Saúde.

Curva epidemiológica

Chama a atenção o comparativo do número de atendimentos de pacientes com sintomas de arboviroses nas Unidades Básicas de Saúde entre os meses de janeiro de 2021 a janeiro de 2024. No primeiro mês de 2021 foram registrados 77 atendimentos. Em 2022, no mesmo mês, foram 62 atendimentos. Em 2023, novamente 62 atendimentos. E, neste ano, até esta sexta-feira (26), foram registrados 1.608 atendimentos de pacientes com sintomas de arboviroses nessas unidades.

O número de casos notificados por ano também evidencia a curva epidemiológica do período. Veja abaixo a evolução de notificações por cada arbovirose.

Com informações e foto da Prefeitura de Betim