Infográfico: G1

Nesta quarta-feira, dia 03 de agosto, cientistas americanos conseguiram restaurar algumas funções celulares e moleculares de porcos uma hora após a morte.

Após um estudo publicado na revista Nature, os mesmos cientistas já haviam anunciado uma pesquisa parecida em 2019, que reativou atividade celular no cérebro de suínos. O novo estudo focou em outros órgãos, como fígado e rins, e a preservação dos seus tecidos.

Pesquisadores confirmam que os transplantes de órgãos de porcos podem reduzir filas de hospitais, mortes e gastos no Brasil, bem como novas estratégias no tratamento de pessoas que têm um AVC ou mesmo um ataque cardíaco.

Os pesquisadores concluíram que os porcos domesticáveis entre 10 e 12 semanas de vida foram submetidos a uma parada cardíaca forçada e, depois desse procedimento, uma solução de perfusato, parecido com o sangue, foi bombeado pelo corpo do animal após a decretação da morte. Esse líquido, que é de uma proteína sintética, tem a função de transportar oxigênio pelos glóbulos vermelhos através de um computador, num período de seis horas.

O teste com esse líquido somente restaurou alguns órgãos, mas também reativou processos moleculares e celulares em vários órgãos vitais como fígados, rins e também o coração.

Fonte: G1

Imagem: freepik