O Ministério da Cidadania decidiu antecipar o pagamento do Auxílio Brasil, que passa a ser de R$ 600 até dezembro. A partir do dia nove de agosto, o dinheiro estará disponível para quem tem o Número de Identificação Social – o chamado NIS – com final 1 e assim sucessivamente até o dia 22. Já os caminhoneiros autônomos inscritos na Agência Nacional de Transportes Terrestres até o dia 31 de maio vão receber as parcelas de julho e agosto, totalizando R$ 2 mil, também no dia 9. Os demais pagamentos até dezembro, no entanto, serão feitos depois do dia 20 de cada mês. O Ministério do Trabalho deverá publicar uma portaria para informar como o dinheiro será transferido. Caberá às prefeituras enviarem para o governo federal o cadastro de taxistas, que também receberão um auxílio ainda sem valor definido. O senador Marcos Rogério, do PL de Rondônia, argumentou que o voucher diesel poderá reduzir a inflação pela diminuição dos custos do frete.  

“Eu acho que são medidas importantes de socorro a quem mais precisa e no caso dos caminhoneiros, uma medida importante para os profissionais, mas que acho que terá impacto também na questão dos preços. O frete impacta o preço dos produtos tanto da sessão de um supermercado a uma prateleira de farmácia. Então, o governo federal tem tido essa sensibilidade e o Congresso Nacional tem dado respostas também efetivas nessa mesma direção”. 

O senador Humberto Costa, do PT de Pernambuco, destacou o caráter eleitoreiro dos benefícios ao lembrar que o governo sequer definiu como vai pagar os caminhoneiros e taxistas, “Nós sempre dissemos que essa proposta de emenda constitucional que criou todos esses benefícios tinha como única e principal razão a busca de votos por parte do governo Bolsonaro, ou seja, era uma proposta completamente eleitoreira. E a pressa de transferir esses recursos é a confirmação disso”.

O Ministério da Cidadania ainda não divulgou quando pagará o auxílio-gás dobrado, que será repassado aos inscritos do Auxílio Brasil a cada dois meses. O governo também deve repassar R$ 2,5 bilhões para estados e municípios garantirem o transporte gratuito de idosos, R$ 500 milhões para o programa Alimenta Brasil e R$ 3,8 bilhões para incentivos ao etanol. No total, a União vai desembolsar mais de R$ 41 bilhões com os benefícios até o final do ano.

Fonte: Hérica Christian, da Rádio Senado

Foto: Leonardo Sá/Agência Senado