Pescar, preparar o peixe e o pirão era o prazer de seu Deca e Zé Perry que trabalhava na Aéropostale, (Compagnie Générale Aéropostale), companhia de aviação fundada em 1919, na França, para popularizar a aviação e estabelecer linhas de conexão para o serviço aéreo postal.
A Aéropostale aproveitava o serviço de pilotos veteranos da Primeira Guerra Mundial, dentre eles estava Antoine de Saint Exupery, o Zé Perri do Campeche, Florianópolis, Santa Catarins autor do ” Pequeno Príncipe” , “Terra dos Homens”, dentre outros livros.
Ele voava nas rotas aéreas entre a França, África e, posteriormente, América do Sul. O campo de pouso ficava no litoral de Santa Catarina, precisamente nas dunas do Campeche.
Zé Perry pilotava alguns vôos para a América do Sul, -escreveu o livro “Correio do Sul”- e conheceu no Campeche o pescador Deca, o Manoel Inácio, de quem ficou amigo. Com ele pescava e preparava sua refeição de peixes e pirão.
Seu Deca era pescador e esperava o avião do amigo chegar e partirem para aventuras como pescar, comer pirão, caçar marrecos e jacarés além de manter com o francês uma amizade brasileira. Como, ninguém explica. Um falava francês outro o idioma cantado do manezinho da ilha de Flirianópolis. Mas bem querer alguém decifra?

Conta Samuel Tito Inácio, neto de seu Deca, que “os pilotos ficavam muito tempo por aqui durante as escalas dos vôos para a Argentina e mais outros 11 locais, pois os aviões eram muito rudimentares e precisavam de manutenção. Não havia como voar longas distâncias, o tempo inteiro, naquela época. Muitas informações se perdem na memória das pessoas, mas meu tio Getúlio escreveu um livro sobre o assunto “Deca e Zé Perri” lançado em 2003, com ajuda da Universidade Estadual de Santa Catarina-UDESC_ que o auxiliou nas pesquisas, juntamente com historiadores francêses.
O nome dele virou Zé Perri porque ninguém sabia pronunciar : Antoine de Saint Exupéry. Imagina meu avô, né, a comunicação difícil e ainda havia a mania das pessoas antigas de botar apelido em tudo! Uns até dizem que o Campeche ficou com este nome porque ele o chamava de Champ de Pêche, Campo de Pesca. outros dizem que o nome é originário de uma planta nativa, o pau de campeche, que tem também no Méxixo. Esta vegetação foi extinta aqui.”

Deca morreu em 1993, aos 84 anos em 1991 foi homenageado com um troféu, pela Aeronáutica por ter prestado serviço aos pilotos franceses. Saint Exupéry, Antoine-Jean-Baptiste-Marie-Roger Foscolombe de Saint-Exupéry, morreu em julho de 1944, em missão na Segunda Guerra Mundial, aos 44 anos. 
Deca sobreviveu para contar a história de Zé Perri na Ilha de Florianópolis, em Santa Catarina, bairro do Campeche.
O trabalho final de Saint-Exupéry foi coletar para a inteligência francêsa dados sobre os movimentos de tropas alemãs em torno do Vale do Rhone anterior à invasão aliada do sul da França (“Operação Dragão”). Na noite de 31 de julho de 1944, ele decolou de uma base aérea na Córsega, e não retornou. 
A Aeropostale doou seu campo de pouso para a Aeronática. Lá, um marco conta sua história. Fica na Avenisa Pequeno Príncipe, no Campeche e, hoje, é um campinho de futebol para a criançada.

Por – Esther Lucio Bittencourt, da Acadêmica Caxambuense de Letras

Estátua de seu Deca e marco da passagem da Aeropostale doada pela Aeronáutica (Foto de Zé Perri)