A diminuição dos índices da Covid-19 em Minas Gerais faz uma possível volta à normalidade se tornar cada vez mais imaginada. Com o número de novos casos, internações e mortes caindo a cada dia, medidas como a flexibilização do uso de máscara de proteção individual passaram a ser avaliadas por governos em todo o mundo. 

Em Minas, o governo estadual estima que vai completar a aplicação da segunda dose em todos os adultos entre novembro e dezembro. Com isso, a previsão, segundo o Secretário de Estado de Saúde, Fábio Bacherretti, havia dito em diferentes oportunidades, era que o uso obrigatório de máscaras não fosse mais necessário em ambientes abertos a partir deste mês, quando pelo menos 70% da população adulta deve concluir o esquema vacinal. Atualmente, 51,10% dos moradores com mais de 18 anos tomaram as duas doses ou a dose única em Minas.

Porém, de acordo com especialistas, o uso do item ao menos em espaços fechados para determinados grupos (idosos, obesos, portadores de comorbidades e imunossuprimidos) será uma realidade que ainda irá persistir por muitos anos.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde informou que caso o cronograma de entrega das doses por parte do Ministério da Saúde se mantenha, a expectativa é de que, ainda em novembro ou dezembro, o estado adquira a “chamada imunidade de rebanho”. Com isso, de acordo com a pasta, o não uso das máscaras pode se tornar facultativo em lugares abertos, arejados, como parques, praças e ruas, “conforme experiências observadas em alguns países, após alcançarem a imunidade de rebanho e avaliação positiva dos indicadores relacionados à Covid-19”.

Imunização. Em relação à vacinação, o governo do Estado destacou que já realizou o envio de 100% das doses de vacinas contra a Covid para a conclusão da vacinação em pessoas com 18 anos ou mais de idade no Estado. “Sendo assim, a conclusão da vacinação dependerá do prazo preconizado para a administração da segunda dose para as vacinas com esquema de vacinação de duas doses e disponibilidade por parte do Ministério da Saúde”, completou em nota.

62% dos prefeitos querem manter uso obrigatório de máscara
Seis a cada dez gestores municipais pretendem manter o uso obrigatório da máscara mesmo com toda a população vacinada. De acordo com um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), em setembro, 62,3% dos prefeitos pretendem continuar com o item de segurança, enquanto 32,7% ainda não decidiram sobre a manutenção da obrigatoriedade. Apenas 69 (3,2%) municípios devem flexibilizar o equipamento de proteção individual. Atualmente, o uso de máscaras em locais públicos é obrigatório em 96,1% dos municípios brasileiros.

Fonte: Letícia Fontes e Aline Gonçalves/O Tempo

Foto: Pixabay