Já pararam para pensar sobre esta palavra. Em algum momento de nossas vidas, pensamos com quem parecemos de nossas famílias.

   E lógico, ninguém quer ser comparado com o tio mala, a tia dramática ou a prima sem noção.

  Então passamos a vida acreditando que jamais teremos semelhanças com esses nossos parentes.

  Mas eis que a vida, que não dá mole para ninguém, vem e nos coloca, em uma situação em que temos exatamente a mesma atitude que aquela pessoa da qual não nos permitimos ser comparados.

  Quando minha filha número um ( tenho duas) começou a dirigir, meu maior espanto foi, que quando estava do seu lado no carro, me comportava como minha mãe fazia comigo, gritava a cada coisa que ela fazia de errado, com desespero. Para minha total, surpresa, pois sempre critiquei minha mãe por isso.

   Então trago aqui o desafio, para e olhe de verdade para suas manias e perceba de quem carregou tal semelhança. Uma tia ou tio, uma avó ou avô, seus pais.

   Em geral sempre são pessoas que fazem parte de nossa árvore genealógica, pois carregamos seus genes e óbvio que eles atuam em nossa personalidade.

   Por mais que queremos negar esse tal evento. Ele está ali para nos confrontar a cada vez que temos algum comportamento que se assemelha ao deles.

   Lógico que não seremos totalmente fieis aos nossos familiares, afinal, temos a influência de grupos de amigos, professores e hoje em dia mídia socias que nos fazem pensar melhor em nossas atitudes, afinal estamos expostos o tempo todo e pode-se ser analisado através de nossas redes sociais , isso faz com que tenhamos muito cuidado com o que postamos e falamos.

    E depois de toda essa análise, é só aceitar a semelhança e conviver com ela da melhor forma possível. Como sou uma otimista realista, acredito que sempre podemos melhorar. Hoje já não grito mais ao lado da minha filha, porque quem sai com elas para aprender é o pai. Aprendi a lição e percebi que não sou indicada para este trabalho, então terceirizei , afinal, ninguém  merece uma louca do lado ao dirigir. Não é mesmo?!

   O filme que me fez refletir este assunto foi Cruella, Disney Plus, onde a personagem tem atitudes muito semelhantes a vilã da trilha. Vale a pena conferir, o figurino é maravilhoso.

Conheça mais sobre a escritora Li Couto https://instagram.com/licouto?igshid=2i81a3ty2vr2

Escute o podcast sobre o tema Semelhança

https://soundcloud.com/jornal-panorama/artigo-podcast-com-a-escritora-li-couto-semelhanca-51