Ah, velhice!
Vou logo avisando: me aguarde!
Pretendo aprontar muito.
Nem espere de mim equilíbrios, controles, ponderações e bom senso.
Porque essas tralhas já carrego no lombo, desde os onze, que foi quando envelheci.
E quem me conhece não me deixa mentir.
Passei a vida envelhecendo e escutando:Nossa!

– Como você é madura pra sua idade.
– Portanto, minha Senhora, vou zoar geral.
Nem me venha com tradicionalismos pra cima de “Mim Idosa”.
Porque, vou jogar a toalha, chutar o pau da barraca, enfiar o pé na jaca e ser feliz.
Vou ser uma velha enxuta, moderna, jovial.
Tipo ponta cabeça, entende?
Já que tive que envelhecer cedo, pretendo infantilizar tarde.
Quero envelhecer colorida, alegre, cheia de bijus e exageros.
Vou rir da sua cara, cheia de rugas, porém, linda e exuberante.
Nem tente me impedir!
Vou juntar tudo o que ficou entalado dentre risadas à banalidades, coisas frugais à fúteis! Vou fazer uma enome lista de besteiras e ostentações e entulhar tudo em cima de você.
Kkkkk
Vai ser diverdido não morrer!
Fala pra morte adiar meu Passaporte.
Porque minha viagem será por Você.

Renata Resende