O que seria enfim a tal liberdade? Os jovens acreditam que é ter dinheiro, as crianças poderem brincar até quando quiserem, os mais velhos ter saúde para aproveitar a vida.

   Então podemos concluir que a liberdade é de acordo com a idade, talvez, mas tenho a convicção que é mais além.

   Ela esta na autorização que damos a nós mesmos de fazer algo.

   É isso mesmo, a liberdade só chega a nós quando aprendemos a concede-la  a nós mesmos.

 Parece estranho, mas não é, por exemplo, muitas vezes me peguei no passado, criando todo tipo de desculpa, para adiar o que queria fazer.

  Não importava o que era, lá estava eu, sabotando a ideia, pelo simples fato de não saber dizer ( Não) .

   Dizer não a tudo aquilo que nos tira a alegria. Essa é sem dúvida alguma a rainha das liberdades é o prêmio Nobel, se tivesse  um para isso.

   Brincadeiras a parte, nossa tão sonhada liberdade começa aí, quando conseguimos expor o que queremos sem ficar pensando muito no julgamento dos outros.

   Claro que não é uma tarefa fácil, mas garanto, não é uma missão impossível. Na hora da decisão, vai dar frio na barriga, falta de ar, suador, e tudo bem. O importante é que consigamos fazer o que é melhor para nós.

   Então voltamos a questão, mas e nossas responsabilidades, como conseguir tudo isso e ainda fazer o que é preciso?

    É aí que a magia acontece, quando não controlamos mais a reação dos outros e  focamos no que queremos de verdade, mesmo que isso cause desconforto em nós e em outras pessoas, queridas.

    Essas mesmas pessoas quando sentem nossa segurança respeitam nossas decisões.

    Mesmo que elas não vão  de encontro com as delas.

   Porque no fim das contas a tal liberdade é mesmo se jogar naquilo que é importante para nós, e as pessoas, aquelas importantes, se o forem mesmo, respeitarão e apoiarão, mesmo que só num futuro próximo.

    Meu desejo para você,  que se jogue naquilo que lhe faz feliz.

    Tem uma frase de um guru indiano (Osho) que gosto muito. É a seguinte

 “Opte por aquilo que faz seu coração vibrar, apesar das consequências”.

   O filme que me inspirou foi o romance Todos os Garotos que Amei 3,  Netflix onde ela precisa decidir entre  fazer  que faz seu coração vibrar ou agradar ao namorado, adorei, vale a pena conferir.

Acompanhe mais sobre Li Couto através de seu Instagram https://instagram.com/licouto?igshid=2i81a3ty2vr2

Ouça também o podcast do artigo Liberdade