Especialista em psicologia positiva reflete sobre o simbolismo da data em um momento que pede reflexão sobre comportamento e propósito de vida  

A Páscoa, mais do que uma data comercial em que se presenteiam amigos e familiares com chocolate, simboliza a celebração do renascimento, segundo tradições milenares.

Neste ano, tal qual no ano passado, a época coincide com o crescimento de casos de covid-19 e a necessidade por isolamento que desperta sensações de angústia, ansiedade e tristeza, velhas conhecidas de 2020, o que levanta a questão sobre como manter o equilíbrio em mais um período desafiador.

Para Flora Victoria, mestre em psicologia positiva aplicada, pela Universidade da Pensilvânia, a seriedade da crise de saúde em vez de impedir, clama por esse espírito de renovação e pela reflexão sobre a necessidade de encontrar novas respostas.

“No estudo da psicologia positiva, abordamos os principais domínios do bem-estar, carreira e negócios, físico, financeiro e social e comunitário. É preciso haver equilíbrio entre eles, o que em tempos de escassez é compreensível que seja mais difícil de atingir, O interessante é que cada um está experimentando obstáculos diferentes na pandemia e histórico de vida e constituição psicológica também leva cada um a lidar com os conflitos de forma diferente”, analisa Flora Victoria.

A especialista ressalta que cada um tem potencialidades a serem exploradas e todos podem buscar suas emoções mais positivas, mesmo agora: “a psicologia positiva se apoia em pilares como o engajamento, ou seja, o uso das forças de caráter e virtudes e a busca da missão, de um propósito. São reflexões importantes para essa pausa presenteada por esse feriado. Não só importantes, mas possíveis para todos, uma vez que não existe algo como condição ideal para felicidade, existe sim o autoconhecimento e o desenvolvimento dos próprios potenciais”.

Muitos, porém, ainda podem se questionar como atingir esse estado em que as emoções positivas falam mais alto e a dica é não brigar com os sentimentos do outro espectro, mas buscar fortalecer o bem-estar.

“Arte, música, descanso são bons exemplos de como estimular o positivo. Do mesmo jeito que há gatilhos para sentimentos como tristeza e angústia, há formas de impulsionar o que chamamos de PEA, os positive emotion attractors, e manter a neuroquímica positiva: serotonina, endorfinas e dopamina”, exemplifica a mestre em psicologia positiva.

E dica bônus: já que é Páscoa, por que não incentivar essa neuroquímica positiva com um bom chocolate?

Fonte: Engaje! Comunicação Inteligente