A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu, nesta terça-feira (23/3), a suspeita de envolvimento no homicídio do Caso Stefania, em Passa Quatro, sul do Estado. Ela é mãe do ex-companheiro da vítima, de 30 anos, que também foi preso junto com o pai, de 66 anos, no início do mês.

Já com o Mandado de Prisão expedido, a investigada, de 60 anos, se apresentou ao Delegado Bruno Cunha e confessou que o corpo da vítima foi carbonizado no quintal de sua casa, com a intenção de minimizar os vestígios. Ela ainda colaborou com a movimentação do latão utilizado no delito.

Além da família, outro suspeito, que já estava preso, também será indiciado por participação no crime. O investigado auxiliou na reconstituição do momento em que o corpo foi carbonizado e ocultado em uma estrada rural.

No fim de dezembro de 2020, a família de Stefânia registrou o desaparecimento dela. De acordo com a investigação, a vítima não dava notícias desde novembro. A partir daí, vários procedimentos e oitivas foram realizados. Apesar de, também, manter uma relação estável com outra mulher, o principal suspeito mantinha um relacionamento com a vítima, constante e público. Com isso foram colhidos depoimentos dele e de testemunhas que os conheciam, além da outra mulher com quem o investigado se relacionava.

Com os dados, a equipe da Delegacia de Passa Quatro chegou ao entendimento sobre os envolvidos e foi realizado pedido dos Mandados de Prisão de pai e filho, no primeiro momento, e posteriormente, da mãe do suspeito e de outro envolvido.

O corpo foi encontrado pelos investigadores da PCMG em uma estrada rural de São Sebastião do Rio Verde, no dia 5 de março, e após submetido a exame de necropsia, o resultado apontou politraumatismo como causa da morte, o que confirma que a mulher teria sido espancada antes do óbito.

“Desde o início tratamos o fato como homicídio, e través de indícios e depoimentos conseguimos pedir os mandados e concluir as investigações acerca da autoria e do que havia ocorrido com a vítima”, conta o Delegado Bruno Cunha.

Todos os investigados foram presos e encaminhados ao Sistema Prisional de Minas Gerais.

Equipe:

Chefe do 17° departamento de Polícia, Dr. Arthur Augusto Ribeiro da Silva.

Delegado Regional em São Lourenço, Dr. Gustavo Fernandes Teixeira.

Delegado Responsável, Dr. Bruno de Souza Cunha.

Delegado de Itanhandu, Dr. Marcio Penedo de Araújo Borba.

Inspetores da 3ª DRPC São Lourenço, Rodrigo Vicente de Oliveira Maia.

Investigadores de Polícia Raquel Aparecida da Silva, Michele Aguiar Campanário, Tayana Borges de Lima, Alexandre Fontes, João Paulo Brum, Bruno Eduardo Alves Carneiro, Maviel Junqueira Gabriel Junior, João Renato de Souza Carneiro Júnior, Murilo Fernandes Maciel, Marcela Bueno de Moraes, Jadson Henrique Sá da Silva e Claudiomar da Costa Silva.

Escrivã de Polícia Sâmia Cristina Albuquerque Fernandes.

Peritos Fernanda Silva Faria e Marcelo Marques Machado.

Texto: Cristiano Rodrigues
Fotos: Polícia Civil
Vídeo: Delegado Bruno Cunha