Rede de Notícias do Sindijori MG – www.sindijorimg.com.br

Fabriciano diz não à onda roxa

A administração de Coronel Fabriciano afirmou que vai seguir o plano municipal de enfrentamento ao covid-19. A decisão foi acordada pelo Comitê de Gestão de Crise do Município e Enfrentamento à Covid-19 e e anunciada pelo prefeito Marcos Vinícius no início da tarde. “Fabriciano vem trabalhando com muita transparência e seriedade, entendendo que a doença veio para ficar. O objetivo do isolamento era preparar o sistema de saúde. E isso, Fabriciano vem fazendo com eficácia e continua firme com as políticas públicas de saúde mantendo a evolução de casos sob controle. Lockdown não vai resolver o problema, a vacinação em massa sim (sobretudo, dos grupos prioritários)”, defendeu o prefeito. (Diário do Aço- Ipatinga)

SindComércio doa cestas

Na semana que passou, o presidente e diretores do SindComércio Patrocínio, Wander Júnior de Carvalho, José Vicente, Marcos Frazão e Carlos Apolinário, receberam do Sesc-MG, duzentas cestas básicas para distribuição para famílias patrocinenses em dificuldade. A doação aconteceu através do projeto Mesa Brasil do Sesc. Foi feita parceria com o Rotary Brumado, onde as cestas foram entregues. O Sesc faz parte do sistema Fecomércio, do qual o SindComércio é filiado. (Jornal de Patrocínio)

Associação recorre à Justiça

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Juiz de Fora (ACE-JF), Aloísio Vasconcelos, afirmou que a entidade recorreu ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais pela retomada das atividades comerciais na cidade, após fechamento determinado por decreto que colocou Juiz de Fora na faixa roxa do programa JF pela Vida, a partir da última segunda-feira, 8. Segundo Aloísio, a entidade aguarda uma resposta positiva acerca da reivindicação, após ter sofrido um revés na primeira instância. Na última terça-feira, 9, a 2ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias Municipais da Comarca de Juiz de Fora indeferiu pedido de liminar proposto pela Associação. (Tribuna de Minas- Juiz de Fora)

TO inaugura Casa de Acolhimento

A Casa de Acolhimento das Mulheres Vítimas de Violência foi inaugurada em Teófilo Otoni, no Centro de Convenções – Expominas, quando reuniram os representantes do Executivo, Legislativo, Judiciário e de instituições engajadas na causa feminina. Com a inauguração desse espaço amplia-se no município o atendimento e as políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulheres. A secretária Municipal de Assistência Social, Maria Helena Salim informa que a Casa de Acolhimento é o espaço onde serão levadas as mulheres vítimas de agressão, que não tem mais condições de convivência com o agressor (Diário Tribuna – Teófilo Otoni)

Procura por ovos é baixa

Comerciantes de Governador Valadares já estão adiantando a produção de vendas para a Páscoa para atender a demanda de pedidos, que deverá ser novamente pequena neste ano, devido à pandemia da Covid-19. Já aqueles que trabalham na fabricação de ovos artesanais em casa, encontram dificuldade na compra de matéria-prima. O principal motivo da baixa procura é o momento econômico atual, cujas famílias voltaram seus gastos para produtos básicos, como higiene e limpeza. Além disso o fim do Auxílio Emergencial do Governo Federal influenciou na queda da procura. Neste ano, a Páscoa é celebrada no dia 4 de abril. (Diário do Rio Doce – Governador Valadares)

Formiga terá hospital de campanha

Atenta às necessidades da população de Formiga e atuando no combate à Covid-19, a Prefeitura montará um Hospital de Campanha com capacidade, inicialmente, para atendimento de 20 pacientes com resultado positivo para a doença. A previsão para a conclusão da montagem é de, aproximadamente, 15 dias. O valor estimado para a montagem e manutenção da estrutura do Hospital é de R$15 mil mensais. Com a ampliação do efetivo e a compra de insumos, este valor poderá chegar a R$30 mil. (Nova Imprensa – Formiga)

Prefeito contesta Secretaria

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais insistiu na proposta de transferir para São Sebastião do Paraíso, pacientes de municípios que estão na “onda roxa” no Programa “Minas Consciente”, e sem leitos de UTI. O prefeito Marcelo Morais não aceitou. Ele argumentou que Paraíso é um dos poucos municípios que se encontram na “onda verde”, e caso receba pacientes acometidos por coronavírus vindos de outras cidades, isso implicará na volta para a “onda vermelha”, e a adoção de medidas como o fechamento de estabelecimentos comerciais dentre outros. (Jornal do Sudoeste – S. S. do Paraíso)