A palavra ressignificar, de acordo com o dicionário de português; é atribuir um novo significado, dar um sentido diferente a alguma coisa; redefinir.

   Partindo daí, quero falar sobre redefinir algumas coisas, já pensou em quantas manias e até mesmo superstições você ainda carrega com você?

   Eu já perdi as contas, mas estou começando a perceber que preciso ressignificar algumas delas, para poder seguir em frente.

   Converso muito sobre esse assunto com amigas que compartilham da mesma ideia e com minhas filhas, é importante dar asas aos mais novos, dar nossa benção, só assim eles conseguirão navegar novos mares.

    Mas, e como fazer para dar a tal benção ou apoio, para que tracem novos caminhos, se nosso medo é tão congelante, que acabamos forçando muitos jovens a permanecerem onde consideramos seguro.

     Recentemente partiu para morar com o pai, uma pessoa que admirava muito, minha tia de 95 anos, bem vividos, com muita coragem, ela ressignificou a maior parte das coisas que aprendeu com os pais, viveu da forma que achou que deveria, isso teve um preço, para termos liberdade, temos que ter responsabilidade, mas ela teve de sobra, se há uma pessoa que soube fazer isso foi ela. Muito orgulho de ter tido o prazer de ser sua sobrinha e ter um legado tão rico para me espelhar.

    Partindo dessa reflexão sobre a vida dessa mulher, percebi o quanto temos a mudar, e que não precisa de muito esforço, basta um novo olhar.

    Neste último fim de semana, terminei de assistir uma série nacional que me fez pensar muito nisso, o quanto ficamos presos a preconceitos e vícios de achar que o que é de fora, é melhor. Devo confessar que todos caíram por terra, fiquei feliz em ressignificar isso. A  série me fez perder o medo que carregava das histórias contadas pelos mais velhos sobre assombrações. Lembro de dormir com a cabeça coberta de tanto que ficava apavorada.

    Mas nessa série, mudei a forma de ver, e acabei os vendo como heróis, adorei, como é bom ver os nossos produtos ganharem o valor que devem ter, temos tantas coisas boas por aqui, porque não as explorarmos de forma positiva e levar para as pessoas do mundo, as nossas belezas e contos ressignificados?

 A série que me fez refletir sobre esse tema foi Cidade Invisível, Netflix, que retrata nosso folclore de forma brilhante, fiquei encantada, até perdi o medo da Cuca e do Curupira, vale a pena conferir e prestigiar nossos artistas e nossa história.

Acompanhe mais sobre os artigos da Li Couto em seu Instagram