Segundo pesquisa divulgada pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), e Univerdade Ferderal de São João Del-rei (UFSJ), é necessário vacinar 2 milhões de pessoas por dia, o Brasil teria 191.110 óbitos a menos com uma vacina 50% eficaz, e 226.473 com uma vacina 90% eficaz. 

Veja o gráfico:

A figura mostra o número de vidas salvas após 170, 220 e 365 dias de vacinação utilizando diferentes esquemas/Reprodução (UFJS)

De acordo com esse gráfico apresentado na nota, é possível verificar que os efeitos da vacinação só são percebidos depois de aproximadamente 80 dias. Com a vacinação de 100 mil pessoas por dia e uma vacina 50% eficaz, índice semelhante ao adotado hoje no Brasil, o modelo prevê 43.686 mortes a menos que o cenário sem vacinação. Um esquema de vacinação intenso poderia, potencialmente, controlar a pandemia no Brasil em 365 dias e salvar milhares de vidas

A nota foi feita em parceria com o departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ).

O modelo computacional utilizado é o mesmo que vem sendo aplicado desde o início das pesquisas feitas pelo grupo desde o início da pandemia, com uma mudança: o parâmetro da taxa de vacinação foi adicionado. De acordo com Rodrigo Weber, um dos autores do documento, o modelo é simples e tem apenas três parâmetros: a taxa de vacinação ou imunização (velocidade com que as pessoas são imunizadas pela vacina), a eficiência da vacina (probabilidade de uma vez vacinado estar imunizado) e o tempo entre a vacina e a imunização.

Aumento na taxa de vacinação salvaria 200 mil vidas

De acordo com as simulações realizadas, com uma taxa de vacinação de 100 mil pessoas por dia, a doença não seria totalmente controlada após o intervalo de tempo de 365 dias, independentemente da eficácia da vacina, o número de casos ativos ainda seria alto (85.135 casos ativos). Em contrapartida, vacinando 2 milhões de pessoas por dia, os casos ativos iriam variar, de cerca de 8 mil – com uma vacina 50% eficaz – a 201 – para uma vacina com 90% de eficácia. Segundo a nota, esses resultados indicam que, nesse ritmo, a pandemia estaria controlada, após um ano da vacinação, independentemente da eficácia da vacina.

As simulações indicam que caso se mantenha uma taxa de imunização entre um a dois milhões de pessoas por dia, cerca de 200 mil vidas brasileiras seriam salvas em um ano.

Leia aqui, na intégra o artigo das universidades mineiras

Fonte: UFJF/Notícias