Já reparou que quando lemos ou ouvimos essa palavra, dificilmente nos colocamos como protegidos, mas sim como protetores?!

  Então passamos pela vida protegendo a todos a nossa volta, filhos, amigos, pets, pais, um colega de trabalho que acabou de chegar, entre tantas outras situações…

  Mas quando nos deparamos com alguma situação em que o protegido devia ser nós mesmos, aí a coisa complica para muitos.

  Aprendemos que é feio pedir ajuda, que isso enfraquece, em muitas famílias, senão em sua maioria, o irmão ou irmã mais velha, fica incumbido de proteger o mais novo, confesso que não há nada de errado nisso, o problema surgi quando esquecem de dizer para o que deve proteger de que ele ou ela, também pode usufruir deste método.

   Trabalhei muito anos com crianças, me aposentei recentemente, fui professora, como costumo dizer, dos baixinhos, e logo de imediato, no início do ano letivo, era muito fácil distinguir entre tantas crianças, os que eram irmãos mais velhos, eram sempre os que estavam cuidando dos amiguinhos, mas observei e com alegria, que em muitos lares eles também eram motivados a se defender, a se proteger. Infelizmente acompanhei muitas outras famílias em que isso não ocorria, então cabia a mim a tarefa de mostrar para aquele serzinho ali, aos meus cuidados ao longo de alguns meses, a reconhecer quando precisava de ajuda e proteção, confesso que foi gratificante o processo, e ver como eles amadureciam durante essa convivência.

    Observe ao seu redor ou até  em você mesmo, se é o protetor com frequência ou se é o protegido, sempre há tempo para alterar comportamentos que possam estar prejudicando nossas relações, quem protege demais, com certeza já ouviu: Você nunca aceita ajuda, só você sabe fazer as coisas. Ou : Você é acomodado tá sempre esperando alguém fazer primeiro.

   Seja qual for sua postura, aproveite quando ouvir essas frases e reflita, não seria essa uma boa oportunidade de mudar, ou pelo menos diminuir a incidência dessas condutas?! Tenho total confiança de que sairá lucrando muito com isso.

   O filme que me inspirou neste texto foi Um Amor, Mil Casamentos, Netflix, uma comédia romântica, muito divertida, onde o irmão mais velho se vê em várias situações complicadas, por proteger a irmã mais nova; sempre deixa de fazer o quer para fazer o que ela precisa. O filme tem uma boa reviravolta e nos faz acreditar no amor, nos relacionamentos e principalmente que sempre podemos fazer novas escolhas. Vale a pena conferir.

Acompanhe mais sobre a escritora Li Couto no Instragram