O que é ser jovem? Ter juventude é um status para quem tem pouca idade, será?!! Essa ideia ficou em minha mente no último fim de semana, quem decretou a juventude, porque ela só é conferida ao mais novos?

   Então vamos avançando na idade e nos cobramos atitudes mais sérias, onde a brincadeira não é bem-vinda, as risadas são ignoradas e trancadas no calabouço da memória, afinal ela é para os jovens, a mensagem é clara, felicidade e jovialidade são sinônimos, andam atreladas.

  Mas e se ignorarmos por completo está lógica? E trazer para a idade atual o frescor da juventude, acredito que seja isso , um frescor e não um número, funcionaria assim, mesmo tendo idade para ser ranzinza e mal humorado, atitude estimulada pela sociedade para definir pessoas de bem e honestas… Fingiria que não entendi e continuaria com o frescor dentro do meu ser, mesmo sabendo que em alguns momentos essa postura de seriedade seja necessária, como por exemplo numa reunião de negócios, com seu chefe, indo conhecer os pais de seu namorado ou namorada, etc.

   O problema é que algumas pessoas vestem esta máscara de seriedade e a usam indefinidamente, mesmo em situações de descontração, lá está a fisionomia de mostrar respeito, semblante sisudo, lábios contraídos, como se essa postura fosse uma faixa dizendo mantenha distância, sou uma pessoa séria e de valores.

   Como sempre fui de questionar tudo, mesmo que não falasse para ninguém para não gerar conflitos desnecessários, dentro de mim, guardei a jovialidade, adoro rir, dançar, assistir filmes pastelões, que trazem a criança atrevida, amante de brincadeiras, de risadas, para fora, para tomar uma ar, fugir das chatices da vida adulta, nem que seja por algumas horas.

   É isso, adoro convidar a minha jovialidade para um encontro, onde a diversão e a leveza serão carro chefe.

   Neste fim de semana a que me referi acima, assisti ao filme TE PEGUEI  na Amazon, que é igual a Netflix, é um clássico pastelão, mas uma coisa me encantou nele, os participantes para manter viva a alegria de ser criança, mesmo adultos brincavam de pega-pega, achei hilário e fiquei me questionando, que ideia maluca, só em filme, apesar de ter me divertido com as peripécias empregadas para tal feito de pegar o outro, mas quando descobri que se tratava de uma história verdadeira, me apaixonei. Realmente existe um grupo de homens nos Estados Unidos que brincam até hoje de pega-pega. Para quem curte o gênero, vale a pena conferir e dar boas risadas.

Acompanhe mais sobre a escritora Li Couto pelo Instagram