Já parou para pensar, em quanto fugimos da dor, lógico, ninguém quer sentir dor, quando vou ao dentista, a primeira coisa que peço é anestesia.

   Esse fato me fez pensar naquelas pessoas que preferem ir e não usar anestesia. Até pouco tempo, considerava elas loucas, como assim?! Sentir dor se pode não sentir?!

   Mas já tem algum tempo que venho revendo esse conceito, agora não falando somente da dor física, sempre que puder evitar assim o farei, mas falo da dor emocional, aquela que ninguém vê, só você sente e, muitas vezes nega até o fim.

   Recentemente li um artigo dizendo que fugir da dor dói mais do que admiti-la, será?

   Hoje confesso que acredito na citação acima, dói mais fingir que não está sentindo nada do que sentir a dor de verdade.

   Porque enquanto estou ali, na minha cabeça articulando como fugir dela, ela ainda continua lá, é como escrever um texto e não ir corrigindo os erros que aparecem em linha vermelha, você  vai terminar o texto, mas no final terá muitos erros para rever, a dor é assim também, a partir do momento que você nega a primeira, outras virão se acumulando, no final você  terá uma grande quantidade de dor para lidar.

    Não é nada fácil, mas com treino conseguimos, é só ir olhando uma por vez, chore se for preciso, xingue também, caso queira, mas aceite, aceitar não é ficar com raiva da pessoa que lhe causou dor, é acolher o sentimento que veio com a ação da pessoa, só assim ficaremos livres e quando usarem este mesmo modo de ferir, já estaremos curados e fortes para nos defendermos. Afinal não mais negaremos que sentimos dor, então não mais a temeremos, é aí que o milagre acontece e, todas sua dores dissolvem, pelo simples fato de você não mais as negarem, é como a criança que para de chorar quando é atendida e percebe que o adulto entende a dor dela.

   Desejo que todos acolham suas dores como fazemos com as crianças!

   A série que me inspirou neste texto foi  Cinderela e os Quatros Cavalheiros, Netflix uma série coreana, que fala da dificuldade de lidarmos com nossas dores, sugestão para aqueles que como eu gostam de um bom romance,  com um toque que só os coreanos sabem dar.

Acompanhe a escritora Li Couto pelo Instagram

Ouça o artigo