Por Graziela Ricardo Matoso*

O colesterol é uma gordura encontrada em nosso organismo e é importante para o seu funcionamento normal. Aproximadamente 70% do colesterol é produzido pelo nosso organismo que o usa para produzir alguns hormônios, como vitamina D, testosterona, estrógeno, cortisol e ácidos biliares que ajudam na digestão de gorduras. Os outros 30% vêm da nossa dieta.

Quando consumimos comida com muita gordura, nosso fígado tende a produzir mais colesterol, e essa produção representa um risco a saúde, pois as taxas vão de um nível normal para um que não é saudável. Taxas de colesterol muito altas ou muito baixas não fazem bem para a saúde.

Existem quatro tipos de colesterol, sendo os dois principais o LDL (Low-density lipoprotein), que é conhecido como o colesterol ruim, é uma lipoproteína (composto de proteína e lipídeos) de baixa densidade que pode se acumular nas artérias assim dificultando o fluxo sanguíneo para órgãos como coração e cérebro, aumentando risco de infarto e acidente vascular cerebral (AVC). E o segundo tipo de colesterol é o HDL (High-density lipoprotein) ou bom colesterol, que acontece quando lipoproteína de alta densidade retira o colesterol das artérias e transporta até o fígado para ser excretado.

Algumas causas do colesterol vêm da genética, do estilo de vida, prática de atividade física e dieta, pois alimentos ingeridos são muito importantes já que 30% do colesterol dependerá da alimentação. Há alguns fatores de risco que também podem influenciar, como sexo, idade, obesidade, sedentarismo, histórico familiar, fumo, diabetes e alimentação. O Colesterol alto não provoca sintomas, por isso pode ser tão perigoso. A única maneira de saber os níveis de colesterol é através do exame de sangue.

Caso houver o diagnóstico positivo, você deve procurar um médico, que irá fazer todas as recomendações necessárias e ajudar no tratamento, que pode ser feito com medicamentos e também com mudanças de estilo de vida, como exercícios e uma dieta saudável, que também são essenciais para quem não sofre da doença e quer uma prevenção. 

*Estagiária sob supervisão da jornalista Priscila Aparecida Silva