Por Graziela Ricardo Matoso*

O Jornal Panorama continua dando dicas de como se proteger nessas eleições, e dessa vez a dica de prevenção é quanto ao uso da máscara. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou a todos que neste ano de eleição que acontecerá no mês de novembro o uso de máscara é obrigatório devida a pandemia do coronavírus. Sem a máscara não será permitido acesso aos locais de votação.

A médica Rejane Oliveira nos conta que o atual cenário mundial, marcado por uma pandemia causada pelo vírus SARS-CoV-2, modificou rotinas e hábitos de maneira significativa. O uso de máscara, a utilização de álcool gel e isolamento social não eram condutas praticadas no cotidiano da maioria dos indivíduos e hoje elas são essenciais para evitar a contaminação.

Ela explica também que o coronavírus é uma doença que provoca infecção respiratória e pode causar desde sintomas mais “leves”, como dor de garganta, cefaleia e coriza nasal, até quadros mais graves, como pneumonia e insuficiência respiratória aguda. A principal forma de transmissão ocorre através do contato direto, isto é, de indivíduo para indivíduo, através de gotículas de espirro, saliva, tosse e pelo aperto de mão com a pessoa contaminada pelo vírus.

Dra. Rejane alerta também que é importante saber como colocar e manusear a máscara. “Antes de colocá-la, higienize as mãos com água e sabão. Em seguida, coloque o equipamento sobre o nariz e a boca, tomando o devido cuidado para não deixar espaço entre a máscara e a região da pele. Ao retirá-la, remova pela lateral e não toque a região central da máscara”, afirma.

A médica também afirma que as precauções são de suma importância para reduzir a disseminação do vírus e, podendo evitar a propagação da doença e entre as medidas de proteção, que incluem os equipamentos de uso individual como a mascará que evita o contato com gotículas e secreções respiratórias de pessoas contaminadas. Além disso, essa medida impede que o vírus se espalhe pelo ambiente, diminuindo a transmissão da doença. “Portanto, usar a máscara demonstra respeito não só à saúde do indivíduo que a usa, mas sinaliza responsabilidade e respeito para com a comunidade de maneira geral”, destaca. 

Ela diz também que a utilização desse equipamento de segurança individual é essencial e de suma importância, tanto por parte dos eleitores quanto pelos mesários, pois trata-se de um momento de maior aglomeração e, portanto, de alto risco de transmissão da doença.

O TSE recomenda também que eleitores com 60 anos ou mais, que são considerados grupo de risco para a covid-19, votem entre 7h e 10h. Nesse horário as pessoas de outras idades não serão barradas pois alguns idosos vão acompanhados.

Para evitar aglomeração, o horário de votação também foi estendido em uma hora, das 7h às 17h. Antes as votações começavam às 8h. O tribunal pede também que eleitores e mesários que estiverem com febre ou tenham testado positivo para covid-19 14 dias antes da eleição que fiquem em casa.

*Estagiária sob supervisão da jornalista Priscila Aparecida Silva