Muitas vezes nos pegamos desejando algo, mas por uma razão que desconheço, alguns pensamentos sabotadores nos invadem e obrigam que tal desejo seja negado, muitas dessas vezes, senão na sua maioria, aceitamos não merecer mesmo aquele anseio.

   Então nos afastamos, nos escondemos dentro de conversas vazias, sobre qualquer assunto, menos o objeto de desejo, afinal, não o mereço…. Não é mesmo?!

   E sempre saímos dessas conversas, aliviados por ainda fazer parte daquele grupo, por não ter sido expulso. Só que algo lateja lá dentro do  coração e continuamos seguindo nosso propósito de não trair a confiança do grupo e permanecemos sem o prêmio.

   Mas eis que a vida nos surpreende e mostra outra pessoa conseguindo algo desejado, almejado e comemorando a vitória, aí você se pega novamente avaliando, porque não me permito receber também?!

   Muitas vezes até ficamos com raiva e porque não inveja daquela pessoa, como ela consegue, num mundo onde ser beneficiado é considerado errado, ter felicidade então, é um ato de rebeldia, para fazermos parte dos nossos grupos, ficamos ali contando todas nossas mazelas, como se fossem troféus a serem ovacionados.

  Como alguém ousa romper o ciclo da não permissão, nem de longe percebemos a raiva e mesmo inveja embutida, raiva de ficar de fora dessa permissão, que assemelha àquele doce da vitrine, o mais caro, que você jura comprar no próximo pagamento.

   Então a partir daí entramos num eterno conflito, voltamos toda nossa ira para a pessoa que se permite, tudo de bom que vem para ela , nós criticamos, porque aquela pessoa te tira da zona de conforto, te mostra outras opções, justo agora que você já está conformada com sua situação, por outro lado, lá no fundo, você adoraria ter a sensação de realizar um sonho, um desejo, conquistar um amor, aquele mesmo, ali no fundinho do seu coração, negado, empurrado, engolido, proibido, afinal você pode ser feliz se o deixar acontecer. Que disparate…

  Mas como acredito em magia, já vou dizendo, dá para mudar isso, desprograme o modo ,não é para mim, para, porque não para mim?!

  Depois perceba, como é bom, permitir-se!!!!

 A série que me inspirou neste texto foi ANNE WHITH AN E  da Netflix,  de uma delicadeza, que me fez refletir sobre acolher sentimentos, sonhos e permitir. Veja, vale a pena torcer por essa ruivinha.

Conheça mais Li Couto