Café coado na hora, queijo fresco, um tabuleiro de broa de fubá e pão de queijo saindo do forno. Para o almoço, costelinha com ora-pro-nobis, angu, tutu de feijão, couve refogada e canjiquinha no fogão a lenha. Estes são apenas alguns dos elementos que representam a gastronomia mineira, que conta com uma data especial para ser homenageada: 5 de julho.

Admirada e reconhecida nacional e internacionalmente, a culinária de Minas ganhou uma referência no calendário em 2012. O dia 5/7 – Dia da Gastronomia Mineira – foi escolhido pelo Governo do Estado em alusão ao nascimento de Eduardo Frieiro, autor do primeiro livro dedicado aos sabores de Minas, intitulado “Feijão, angu e couve – Ensaio sobre a comida dos mineiros”, lançado em 1966. Frieiro também foi o primeiro diretor da Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais.

Abrangente

Dos queijos aos azeites, do café à cachaça e dos menus sofisticados aos pratos simples, a gastronomia de Minas Gerais passa por ingredientes, tradições e talentos que são considerados riquezas culturais. Além de valor simbólico, a culinária mineira também representa fator de desenvolvimento econômico, social, turístico e cultural para o estado.

Para o secretário de Estado de Cultura e Turismo (Secult), Leônidas Oliveira, a gastronomia faz parte do patrimônio imaterial de Minas Gerais e deve ser desenvolvida conjuntamente com a economia da cultura e do turismo.

“Isso significa promover as potencialidades do nosso estado para atrair turistas e fortalecer a cadeia produtiva do queijo, do café, da cachaça, do pão de queijo, dos doces e impulsionar a venda desses produtos carregados de ‘mineiridade’ para dentro e fora de Minas Gerais. Com isso, vamos fortalecer a cadeia da gastronomia, gerando emprego e renda e fazendo com que os sabores e saberes da cozinha mineira sejam cada vez mais reconhecidos e se consolidem como alavanca para o desenvolvimento sustentável da economia, do turismo e da cultura em Minas”, destaca o secretário.

Com objetivo de promover e fomentar a gastronomia mineira, a Secult tem trabalhado, por meio do Programa Estadual de Desenvolvimento da Gastronomia, na articulação e constante diálogo com diversos atores, entre eles as Secretarias de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede) e de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) para desenvolver projetos de escoamento, adequação e certificação de produtos mineiros, fortalecendo pequenos produtores e ampliando a visibilidade deles para fora estado.
 


Ricardo Cozo / Acervo Secult


Pioneirismo

A Secult é pioneira no Brasil com a criação do Plano Estadual da Gastronomia Mineira (PEGM), que prevê atividades em diversas frentes como o desenvolvimento de políticas públicas, a revisão das estratégias já traçadas e o acompanhamento das ações previstas. Todo o trabalho é multidimensional e interdisciplinar, com observação e incentivos a todos os elos da cadeia produtiva e de forma a levar em conta características sociais, culturais e turísticas relacionadas à dinâmica da produção, ao consumo, aos saberes e modos de fazer, e ao caminho que o alimento percorre da origem à mesa.

Com objetivo de revisão e adaptação do plano, são realizadas reuniões regulares entre os grupos de trabalhos do PEGM, compostos pela Secult, Sede, Seapa (e suas vinculadas IMAEmater-MG e Epamig), Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha-MG)Fundação João Pinheiro (FJP)Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig)Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG)Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge)Serviço Social Autônomo (Servas), Frente da Gastronomia Mineira (FGM), Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel-MG), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial em Minas Gerais (Senac-MG) e Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Micro Empresas em Minas Gerais (Sebrae-MG).

Comemorações

Desde que foi instituído, o Dia da Gastronomia Mineira é comemorado com a entrega do Prêmio Eduardo Frieiro de Gastronomia, em homenagem ao escritor mineiro. Neste ano, em função da pandemia de covid-19, a entrega ainda está em fase de planejamento. O chef de cozinha Edson Puiati, idealizador e um dos curadores da premiação, explica que o troféu foi pensado como um reconhecimento e agradecimento a pessoas, instituições e organizações que destacam, enaltecem e contribuem para o desenvolvimento, reconhecimento e fortalecimento da cultura alimentar em Minas Gerais.

Fonte: Agência Minas