Em Boletim Temático do projeto-piloto, pesquisadores sugerem mais testagem para monitorar efeitos da reabertura do comércio

O projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos lançou nesta sexta-feira, 26 de junho, o primeiro Boletim Temático, com objetivo de aprofundar resultados da pesquisa obtidos entre 11 de maio e 12 de junho. Segundo o Boletim Temático nº 01/2020, as estimativas de infectados em Belo Horizonte (MG) feitas com base na concentração viral encontrada nos esgotos apontam que o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus pode ser até 20 vezes superior ao de pacientes com casos confirmados da COVID-19.

O estudo também indica que o relaxamento do isolamento social pode ter elevado o total de pessoas infectadas. Na semana epidemiológica 22 (em maio), o número de infectados estimado foi duas vezes maior que os casos confirmados acumulados reportados no mesmo período. Porém, na semana 24 do estudo (em junho), a carga viral encontrada nos esgotos permitiu estimar que o total de pessoas infectadas chegou a ser 20 vezes maior.

O projeto-piloto é uma iniciativa conjunta da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto (INCT ETEs Sustentáveis/UFMG), em parceria com a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (COPASA), o Instituto Mineiro de Gestão das Águas (IGAM) e a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

Segundo os pesquisadores do INCT, essa grande diferença entre os resultados das semanas 20 e 24, e em relação à estimativa de infectados inferida a partir dos esgotos e o número reportado oficialmente de casos confirmados, pode ser determinada por fatores, como: a dificuldade na ampliação da testagem e o reflexo de que as estimativas feitas com dados do esgoto mostram os casos assintomáticos. Também há conexão do aumento no número estimado de pacientes infectados com a reabertura do comércio, informam os pesquisadores no Boletim Temático.

Devido a tais fatores, o diretor da ANA Marcelo Cruz destaca a importância do projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos. “Como sabemos que são encontradas dificuldades em ampliar a testagem da população, avaliamos que o projeto se torna ainda mais importante para a sociedade e gestores neste momento de pandemia, como forma de propiciar a testagem indireta via dados obtidos ao analisarmos os esgotos. Assim, podermos oferecer uma ferramenta para otimizar a avaliação epidemiológica, como instrumento de gestão pública”, afirmou.

Acesse aqui os boletins do projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos.

Sobre o projeto-piloto

O projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos tem o objetivo de monitorar a presença do novo coronavírus nas amostras de esgoto coletadas em diferentes pontos do sistema de esgotamento sanitário das cidades de Belo Horizonte e Contagem, inseridos nas bacias hidrográficas dos ribeirões Arrudas e do Onça. Assim é possível gerar dados para a sociedade e ajudar gestores na tomada de decisão.

O trabalho, que terá duração inicial de dez meses, é fruto de Termo de Execução Descentralizada (TED) firmado entre a ANA e o INCT ETE Sustentáveis/ UFMG. Com a continuidade dos estudos, o grupo pretende identificar tendências e alterações na ocorrência do vírus nas diferentes regiões analisadas para entender a prevalência e a dinâmica de circulação do vírus.

Os pesquisadores participantes no estudo reforçam que não há evidências da transmissão do vírus através das fezes (transmissão feco-oral) e que o objetivo da pesquisa é mapear os esgotos para indicar áreas com maior incidência da doença e usar os dados obtidos a partir do esgoto como uma ferramenta de aviso precoce para novos surtos, por exemplo.

Com os dados obtidos, será possível saber como está a ocorrência do novo coronavírus por região, o que pode direcionar a adoção ou não de medidas de relaxamento consciente do isolamento social. Também pode possibilitar avisos precoces dos riscos de aumento de incidência do COVID-19 de forma regionalizada, embasando a tomada de decisão pelos gestores públicos.

Futuramente os resultados preliminares da pesquisa serão divulgados na forma de mapas dinâmicos, que possibilitarão acompanhamento da evolução espacial e temporal da ocorrência do vírus.

Outras ações de comunicação do andamento dos trabalhos também estão em curso. No dia 22 de maio foi realizado o webinar COVID-19: Monitoramento do Esgoto como Ferramenta de Vigilância Epidemiológica. O vídeo com as palestras e as apresentações está disponível no canal da ANA no YouTube.

Fonte: Ascom Agência Nacional de Águas (ANA)