(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

O governador prevê aulas presenciais só em julho

De acordo com o governador, a festa de Momo pode ser adiada em 2021; aulas presenciais só em junho ou julho e, por enquanto, não há escassez de UTIs e respiradores

O governador Romeu Zema (Novo) previu, na manhã desta terça-feira (21), que o carnaval de 2021 em Minas Gerais deverá ser afetado pela pandemia do coronavírus.

“Com certeza o vírus ainda estará no meio de nós”, disse o governador ao ser indagado pela reportagem da Rádio Itatiaia sobre a possibilidade de o evento ser cancelado no estado. “Até porque as pessoas não vão querer participar”, reagiu Zema diante do questionamento.

Retorno às Aulas


O chefe do Executivo estadual também fez sua previsão sobre o retorno às aulas no estado. Segundo ele, antes de junho ou julho “é muito difícil” que estudantes voltem aos bancos escolares. “Penso que o retorno às aulas presenciais só daqui a 60, 90 dias”, afirmou.

Jogos de futebol

Os jogos de futebol nos estados também entraram na pauta de Zema com um prognóstico para o retorno. Entretanto, sem data definida. O governador voltou a admitir, no entanto, que as partidas podem ser retomadas sem o público nos estádios.

Ele detacou, contudo, que os eventos futebolísticos deverão ser feitos com muita cautela, tendo em vista que jogadores, equipes técnicas dos clubes e das empresas que trasmitem os jogos precisarão ser bem monitorados para assegurar a saúde de todos.

Protocolo para o comércio

Romeu Zema também reiterou na manhã desta segunda-feira que o governo  prepara um protocolo para a flexibilização das atividades do comércio, indústria e dos serviços no estado. O documeto deverá ser divulgado, por meio de decreto, ainda esta semana.

Segundo ele, serão algumas normas rígidas e, ainda, recomendações, a depender de cada caso, tendo em vista que Minas Gerais conta com 853 municípios, onde em mais da metade, de acordo com Zema, ainda não há notificação sobre o coronavírus nesses locais.

Uso de mascáras obrigatório e termômetros

Zema adiantou que, por meio do decreto, em empresas com mais de 500 funcionários será obrigatório, além de distribuição de máscaras, o uso de termômetros para medição da temperatura de seus trabalhadores.

O governador também citou o caso de caixas de supermercados, que serão obrigados a instalar divisória entre o cliente e o trabalhador.

UTIS e respirador


O governador Romeu Zema também disse que a situação do estado no controle da pandemia é “bastante segura”.

Segundo ele, apenas 3% de um total de 2.200 UTIs prontas e em preparação no estado estão sendo usadas para tratar pacientes coma COVID19.


O governador não soube estimar quantos respiradores estão disponíveis no estado.

De acordo com o governador, a situação do sistema de saúde no estado ainda está dentro da normalidade já que a ”curva” de infectados diários tem estado sob controle.

Fonte: EM