O ex-ministro Sergio Moro, que pediu ontem, 24, sua exoneração da chefia do ministério da Justiça e Segurança Pública, divulgou prints de conversa com o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) e com a deputada federal Carla Zambelli (PSL).

Conversa entre Jair Bolsonaro e Sergio Moro (Foto: reprodução)

As imagens, obtidas com exclusividade pelo Jornal Nacional, da TV Globo, mostram trechos de conversas do dia 23 de abril, onde o presidente cobra mudanças no comando da Polícia Federal. A conversa começa com o presidente enviando a Moro o link de uma matéria do site O Antagonista, que afirma que a PF está “na cola” de deputados aliados do governo. Bolsonaro, então, afirma que esse era “mais um motivo para a troca”. Moro afirma que a investigação é comandada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, e que não havia sido pedida pelo então diretor da Polícia Federal Maurício Valeixo.

Questionado pelo jornalístico se teria interesse em uma indicação ao Superior Tribunal Federal, Sergio Moro mostrou trechos de conversas com a deputada federal Carla Zambelli (PSL), aliada do presidente.  Na conversa, a deputada pede a Moro que aceite a indicação de Alexandre Ramagem, então diretor da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), para o cargo de diretor-geral da PF. Ramagem foi escolhido pelo presidente para o cargo, mas a decisão ainda não foi publicada em Diário Oficial.

“E vá em setembro para o STF”, prossegue a deputada, afirmando ainda que fará o presidente Jair Bolsonaro se comprometer com a promessa. Moro responde que não “está à venda”. A deputada ainda argumenta que o Brasil sofreria com sua decisão, e afirma saber que o ex-ministro não está à venda. Finalizando a conversa, Moro afirma que já há pessoas conversando com o presidente, em uma referência à tentativa de aliados de convencer o presidente.

Conversa entre Sergio Moro e a deputada federal Carla Zambelli (Foto: reprodução)

Deputada também divulga prints

Na manhã deste sábado, a rede CNN Brasil exibiu troca de mensagens entre a deputada federal Carla Zambelli e Sergio Moro, em uma resposta à divulgação feita pelo ex-ministro. A conversa é do dia 23 de abril.

À rede de TV, a deputada afirmou que não teve má intenção em sugerir a ida de Moro para o STF e ainda suspeita que o ex-ministro já estivesse fazendo prints da conversa. “Gostaria muito de saber se ele já estava fazendo prints [da tela] porque essa frase é muito calculada e parece que foi friamente colocada ali”, afirmou, em referência à resposta dada por Moro: “Prezada, não estou à venda”.

Mensagens trocadas entre a deputada federal Carla Zambelli e o ex-ministro Sergio Moro (Foto: reprodução CNN Brasil)

A deputada também afirmou não ser novidade a vontade de Sergio Moro ir para o Supremo, uma vez que toda a imprensa já tratou do assunto. “Ou seja, não é algo que eu trouxe do nada. É uma conversa que se tem em Brasília desde que o ministro entrou [no governo]. Ontem ele deixou claro que o presidente não prometeu essa vaga para ele, mas é claro, todo mundo esperava que o ministro Moro, que foi o juiz da Lava Jato, em algum momento fosse pro Supremo”, disse ao noticiário.

Carla disse ter se sentido traída pelo então ministro, já que se considerava aliada a Moro e esteve sempre em sua defesa contra os ataques feitos pelo Congresso.