MEI, micro e pequenas empresas vão poder contar com uma plataforma de crédito da CAIXA e a orientação do Sebrae ao longo de todo o financiamento

A CAIXA e o Sebrae assinaram nesta segunda-feira (20) um convênio com objetivo de facilitar o acesso ao crédito das micro e pequenas empresas, bem como microempreendedores individuais (MEI). A parceria faz parte do conjunto de medidas que vêm sendo implementadas pela CAIXA e o Governo Federal para reduzir o impacto provocado pela crise do coronavírus sobre os pequenos negócios no Brasil. A parceria foi detalhada em transmissão ao vivo do presidente da CAIXA, Pedro Guimarães e do presidente do Sebrae, Carlos Melles.

Segundo o presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, a parceria com o Sebrae tem o objetivo de apoiar o setor que vem sofrendo com a pandemia. “A CAIXA, enquanto banco público, tem a missão de dedicar atenção especial a este cliente que gera tantos empregos no país. Através da parceria, o banco disponibilizará melhores condições de taxas, prazo e carência, de forma a atender a demanda por crédito desse setor tão importante para a economia”

“A expectativa da CAIXA é injetar R$ 7,5 bilhões em linhas de crédito facilitado para o setor”, acrescentou o presidente.

A parceria utiliza as linhas de crédito disponibilizadas pela CAIXA e as garantias complementares serão concedidas pelo Sebrae por meio do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe). Segundo o vice-presidente de Varejo do banco, Celso Leonardo Barbosa, “os empresários poderão contar com uma verdadeira plataforma de crédito assistido, prazo de carência de até 12 (doze) meses para começar a pagar e prazos flexíveis para pagamento”.

A parceria foi detalhada em transmissão ao vivo

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, destacou a importância da parceria. “A CAIXA, banco de todos os brasileiros, banco da matemática, vem oferecer nesse momento de dificuldade oferta de crédito para os seguimentos que têm sido muito penalizados. Em conjunto com o Sebrae, de uma maneira matemática, aonde tenhamos uma assistência técnica de quem tem a presença no Brasil inteiro e está acostumado a fazer isso. Essa operação junto com o Sebrae é extremamente importante, porque oferece o crédito para uma parcela do seguimento da economia que não tem tido oportunidade de ter essa oferta ultimamente”, revela.

“Sete bilhões e meio são importantes, são relevantes dentro de um seguimento que tem uma oferta muito pequena de crédito. Nós usaremos um fundo de aval que permite uma redução da inadimplência e possibilita a oferta de crédito, com taxas que podem ser reduzidas matematicamente até 40%”, completa.

Ainda seguindo o presidente da CAIXA, os empresários podem acessar e saber mais sobre a parceira e se cadastrar no endereço  caixa.gov.br/caixacomsuaempresa

“Esse momento é especial para nós do Sebrae nessa nova parceria com a Caixa Econômica Federal, revertida com uma esperança”, frisou o presidente do Sebrae, Carlos Melles, sobre o ato.

“Nesse momento, o mundo interior está fazendo ações fortes em cima da micro e pequena empresa, 99% das empresas do mundo são micro e pequena empresas”, enfatiza Carlos Melles. Ainda segundo o presidente do Sebrae, a falta crédito é um fator limitante para as micro e pequenas empresas. “Se conseguirmos elevar o PIB da micro e pequena empresa para os moldes internacionais, certamente o país será outro”, destaca.

Sobre o novo convênio, o presidente do Sebrae cita que “Contamos muito com a Caixa nessa caminhada. É um momento novo, uma expectativa nova, muito em função desse exemplo que a Caixa está dando. Incluir 42 milhões de brasileiros da forma que está sendo feito, nessa velocidade, estendendo a mão, entendo que a nossa micro e pequena empresa terá um crédito que será acompanhado administrativamente pelo Sebrae e Caixa Econômica”, disse Melles.

Outros benefícios

Além de entrar com recursos para alavancar o volume de operações de crédito através do Fampe, o Sebrae irá oferecer aos empreendedores a inovação do crédito assistido. Segundo o presidente do Sebrae, “um dos maiores obstáculos no acesso dos pequenos negócios a crédito é a exigência de garantias feita pelas instituições financeiras. Nesse sentido, o Fampe funciona como um salvo-conduto, que vai permitir aos pequenos negócios, incluindo até o microempreendedor individual, obterem os recursos para capital de giro, tão necessários para atravessarem a crise provocada pela pandemia do coronavírus, mantendo os negócios e os empregos”, explica Carlos Melles.

Com informações CAIXA

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães
O presidente do Sebrae, Carlos Melles