Mudanças nas celebrações foram adotadas pela Arquidiocese do Rio de Janeiro para evitar a disseminação da Covid-19. Almoço de Páscoa dado a moradores de rua terá distribuição de quentinhas (Foto: Wagner Meier/Getty Images/ BBC)

A Covid-19 mudou a Páscoa no Rio de Janeiro. Seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde e das autoridades civis, as celebrações do período serão on-line e sem a presença de fiéis.

Entre as atividades previstas, no Domingo de Páscoa (12) o cardeal Dom Orani Tempesta participará da Consagração do Brasil aos pés do Cristo Redentor. O evento só havia acontecido uma vez até hoje, na inauguração do monumento, em 1931.

Em uma entrevista coletiva realizada pela internet na manhã desta quarta-feira (8), o cardeal destacou que o clima da celebração será diferente, pois uma multidão se aglomerou para acompanhar a bênção na década de 30 do século passado.

“Quando Dom Leme inaugurou o Cristo, ele fez uma oração consagrando a cidade e o país ao coração de Jesus. Tivemos outras celebrações. Mas assim como o Santo Padre fez uma oração especial, nós vamos consagrar a vida do povo e suas apreensões ao Senhor no domingo à noite”, destacou Dom Orani.

Lava-pés diferente

Uma das mudanças mais marcantes na Semana Santa será a da cerimônia do Lava-pés. A missa acontecerá, mas sem o ritual.

“Vai ser celebrada a missa, mas sem o Lava-pés. Isso foi uma orientação mundial para que celebrássemos sem o Lava-pés pois, evidentemente, isso pressupõe contatos e presença”, explicou.

Na Sexta-feira Santa (10), a Arquidiocese sugere que os fiéis coloquem o sinal da cruz em suas portas para lembrar a Paixão de Cristo.

Dom Orani, que tem 69 anos, não saiu da residência oficial da Arquidiocese do Rio de Janeiro desde que as medidas de distanciamento social foram decretadas na cidade. Todas as reuniões das quais ele tem participado são online. Ele sairá pela primeira vez na quinta (9), para a celebração da unção dos santos óleos que acontecerá, sem fiéis, na Catedral Metropolitana, no Centro.

“É algo inusitado. Sempre tivemos transmissões de celebrações. Estamos colaborando para que o vírus não dissemine tão rápido assim”, destacou o cardeal, ressaltando que os padres estão acompanhando os fiéis por telefone e outras tecnologias.

Ficar em casa

O cardeal falou sobre a importância de ficar em casa para evitar a rápida disseminação da doença.

“O momento é de ficar em casa com a família. Partilhando as suas historias, rezando. Temos a chance de acompanhar as noticias. Quando a vida é ameaçada temos a chance de ver sua importância”, ressaltou.

Quentinhas

Outra mudança prevista está no tradicional almoço de Páscoa que é oferecido pela Arquidiocese para a população de rua da cidade. Este ano, a igreja distribuirá quentinhas pelas ruas, nos lugares onde os moradores de rua estiverem, para evitar aglomerações. A orientação é que as paróquias que fazem este tipo de atividade façam o mesmo.

Sobre o trabalho com as populações desassistidas, Dom Orani conta que já é possível observar o aumento na demanda por alimentos.

“Nosso trabalho social tem aumentado e agradeço quem tem ajudado, tanto na questão das quentinhas, quanto das cestas básicas”, destacou o cardeal.

Na tarde de domingo (12), acontecerá um voo de helicóptero no qual o reitor do Santuário do Cristo Redentor, Padre Omar, dará uma bênção pascal à cidade enquanto os sinos tocam em igrejas de todo o Rio.

Às 19h, o cardeal Dom Orani Tempesta vai consagrar o Brasil aos pés do Cristo Redentor.

Fonte: Portal G1