Unidade brasileira poderá receber amostras de outros países para fazer testes de Covid-19 e aprofundar estudos que podem levar à vacina (Foto: Josué Damacena/IOC/Fiocruz)

Organização Mundial da Saúde (OMS) oficializou, nesta quarta-feira, a indicação do Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo da Fiocruz (Instituto Oswaldo Cruz)como laboratório de referência para o combate ao novo coronavírus nas Américas. O laboratório da Fiocruz, que já era referência junto à OMS para vírus do tipo Influenza, estava encarregado pelo governo federal de testar amostras e capacitar outras instituições do país para também realizarem exames de Covid-19.

A partir de agora, a Fiocruz poderá receber amostras de Covid-19 de outros países da região para promover o sequenciamento genético do novo coronavírus, identificar mutações e aprofundar estudos que possam levar ao desenvolvimento de uma vacina e ao aprimoramento de diagnósticos, além de testes de medicamentos.

Além do laboratório da Fiocruz, apenas o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), ligado ao governo dos Estados Unidos, atua como referência da OMS no combate ao novo coronavírus no continente americano. Segundo a chefe do laboratório da Fiocruz, Marilda Siqueira, a indicação por parte da OMS coloca o Brasil em posição de maior destaque na comunidade internacional em esforços na área de saúde pelo enfrentamento do vírus, que já causou mais de 1,4 milhão de casos em todo o mundo. A liderança brasileira na América Latina também incentiva, de acordo com Siqueira, o intercâmbio de conhecimento e metodologias com países vizinhos.

– Tudo isso faz com que os dados gerados no Brasil tenham força e representatividade para influenciar as análises globais sobre a situação dos vírus influenza e, agora também, do coronavírus – afirmou a pesquisadora. — Isso também significa um compromisso não só do laboratório, mas também do país, para que mantenha uma vigilância epidemiológica e laboratorial do Covid-19 sempre com estratégia e metodologia atualizadas, mantendo o padrão que levou a este status de referência.

A Fiocruz havia sido escolhida pela OMS, no fim de março, para liderar um ensaio clínico no Brasil, envolvendo 18 hospitais de 12 estados, com o objetivo de avaliar questões como o uso de medicamentos no combate ao coronavírus. A instituição vem fazendo testes, por exemplo, sobre a eficácia contra o Covid-19 de medicamentos usados no tratamento do vírus HIV.

No início do ano, em meio ao avanço de casos de Covid-19 na China, o laboratório da Fiocruz instaurou protocolos de diagnóstico do novo coronavírus junto à OPAS (Organização Pan-Americana de Saúde). A partir daí, o laboratório atuou no treinamento e capacitação de outros centros de diagnóstico no país, como o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, que detectou o primeiro caso confirmado de coronavírus no país, em 26 de fevereiro, e publicou dois dias depois o primeiro sequenciamento do vírus na América do Sul.

No total, a Fiocruz atuou na capacitação de ao menos 13 laboratórios no país para testagem e diagnóstico de Covid-19, além de outros nove países da América Latina. Com a oficialização como referência no continente, a Fiocruz poderá receber amostras inclusive para confirmações de óbitos e apoio a países com menor estrutura, como o Equador, que vive um avanço de casos e uma sobrecarga do seu sistema de saúde.

Fonte: Jornal O Globo