Em tempos de pandemia, o preço médio dos alimentos decolou. O feijão preto, por exemplo, que no início do mês caiu 2,61%, agora teve uma alta de 2,24%. O mesmo aconteceu com os ovos, que já estavam mais caros e hoje estão custando 9,01% a mais do que de costume. Já a carne bovina teve um aumento de 0,25%.

Segundo especialistas, essa nova realidade não tem nenhum mistério: como há muita demanda por determinados produtos e há muitas pessoas estocando alimentos em casa, o cenário que acabamos encontrando é o de preços mais altos. 

Mas a dificuldade está por todos os lados. Os comerciantes também estão sofrendo. Eles reclamam que está complicado negociar com os bancos por conta das taxas de juros. 

“A gente tem tido uma dificuldade imensa com as renegociações das dívidas, nos refinanciamentos e até em novos créditos de capital de giro para que nós possamos suportar essa crise. Está sendo muito difícil para todos nós e a gente precisa muito dessa ajuda, tanto dos bancos públicos como dos bancos privados”, disse o empresário Edrey Momo.

Fonte: CNNBrasil