Homem foi flagrado pelas câmeras de segurança no centro do pátio no instante da polêmica filmagem (Foto: Reprodução)

Polícia Civil de Minas Gerais divulgou, nesta quinta-feira (2), imagens do circuito interno da Central de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasa-MG), em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que mostram o momento em que um homem fez a polêmica filmagem, denunciando um suposto desabastecimento de alimentos. O vídeo, com a informação falsa, ganhou grandes proporções ao ser compartilhado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que apagou o conteúdo no mesmo dia e pediu desculpas pelo ocorrido.

O vídeo gerado pelas câmeras de segurança mostra que a filmagem foi feita na última terça (31), às 11h02, em uma área da Ceasa onde são comercializadas frutas e verduras. De acordo com os delegados Rodrigo BustamanteSaulo Castro e Luciano Guimarães, que coordenam as investigações, as vendas de alimentos começam por volta das 2h30, tendo fim no horário aproximado no momento da filmagem.

Por causa das informações inverídicas do vídeo, a Polícia Civil intimou o homem a prestar depoimento até a próxima segunda. Trata-se de um trabalhador autônomo de 48 anos, sem antecedentes criminais. Seu nome não foi divulgado pela corporação.

Por ter gravado o vídeo com mensagens deturpadas, o homem poderá ser indiciado por provocar alarme falso, com o intuito de produzir pânico ou tumulto. De acordo com o artigo 41 da Lei das Contravenções Penais, de 1941, é crime “provocar alarme, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumulto”. A pena para esse casos é de prisão simples, de 15 a seis meses, ou multa.

O conteúdo do vídeo já havia sido desmentido nessa quarta pela ministra da Agricultura Tereza Cristina. Ela afirmou que não há crise no abastecimento e que todos os estados do país estão recebendo alimentos normalmente.
“Hoje nós temos no Brasil o abastecimento em todas as capitais e todas as cidades, não temos nenhuma notícia de que esteja faltando qualquer tipo de alimento nas prateleiras dos supermercados, das vendas. Essa é a missão hoje do Ministério”, disse.

Veja as imagens obtidas pelo circuito interno da Ceasa

Fonte: Estado de Minas