O isolamento social devido à pandemia do covid-19 começa gerar suas consequências. As incertezas quanto à doença e as consequências da mesma tem nos deixados cada dia mais angustiados. Será que estamos totalmente seguros? Se eu for contaminado, como meu organismo reagiria? Meus familiares estão se cuidando? E se alguém da família ficar doente? Essas são algumas das perguntas que não saem da nossa cabeça.

Não ficando de fora nossos questionamentos sobre a economia, a incerteza sobre como ficará a crise financeira depois que a atual situação se normalizar? Meu trabalho esta garantido? Vou conseguir me manter financeiramente durante e após o isolamento?…

Todas essas perguntas ficam sem respostas, levando-nos a projetar um futuro desconhecido. E essa incerteza sobre o futuro poderá nos conduzir a tão temida crise de ansiedade.

Ansiedade é sentimento natural do ser humano, que ocorre principalmente em situações difíceis ou perigosas. Sem ela, não é possível se prevenir para enfrentar as dificuldades que poderão vir pela frente e preparar-se para elas. Mas, se as preocupações e medos causarem angústia e interferirem na vida diária, é possível ter um indicativo de uma crise de ansiedade podendo mais tarde se transformar em um transtorno.

Por isso é fundamental estarmos atentos aos sinais que nosso corpo nos revela. Diante de uma situação intimidadora, o coração dispara, as mãos e os pés não conseguem permanecer quietos, a concentração é precária e a pessoa sente dificuldade para respirar. Embora a pessoa ansiosa compreenda logicamente que suas reações são exageradas, não consegue controlá-las.

É importante lembrarmos que cada um possui suas próprias limitações, por isso, essas situações podem ser diferentes para cada pessoa, mas há algumas técnicas que podem auxiliar no momento da crise.

Treine a respiração profunda, respirar profundamente é um conselho antigo. Quando inspiramos o ar e expiramos vagarosamente, nosso cérebro compreende que podemos (e devemos) relaxar.

Faça técnicas de relaxamento, procure uma música relaxante, desligue as luzes do seu quarto (se preferir) e deite-se confortavelmente.

Pratique atividades físicas, é mais do que confirmado que movimentar o corpo pelo menos três vezes na semana ajuda a controlar a ansiedade, além de agir como prevenção e tratamento complementar para transtornos mentais.

Alimente pensamentos bons, você já percebeu que quando nos lembramos de algo embaraçoso ficamos com vergonha novamente? Ou quando imaginamos uma situação positiva o nosso entusiasmo cresce de súbito? Os nossos pensamentos exercem grande influência em nossos sentimentos e ações.

Tenha um hobbie, ocupe a sua mente com uma atividade divertida.

Mude a perspectiva, uma das características marcantes da ansiedade é o pessimismo. Quando ansiosas, as pessoas logo focam apenas no lado negativo. Para combater esse sintoma, busque o que há de melhor em cada situação e cultive o otimismo.

Durma bem, a qualidade do nosso sono reflete em nosso humor e disposição. Dormir bem é importante para a saúde como um todo, por isso, crie um ritual noturno para afastar o desgaste emocional e físico. Você pode tomar um chá, fazer uma leitura leve ou ouvir um áudio relaxante. 

Tente praticar essas técnicas no momento que antecede uma crise, lembre-se que seu corpo da sinais de que tem algo acontecendo com você, seja paciente consigo mesmo e tenha em mente que você está dando o seu melhor.

Essas técnicas podem auxiliar no momento de crise, porém é indispensável diante persistência dos sintomas acima, procurar um psicólogo para estar certo de um diagnóstico.

Por: Karoline Vilela Ferreira – Psicóloga – CRP 04/54097