Escrevo hoje dia 28 de março de 2020.

Ontem, uma das revistas médicas mais respeitadas do planeta (se não a mais respeitada) traça um futuro sombrio para o Brasil, no enfrentamento do coronavírus. Em exercício de premonição o articulista fala em torno de 1 milhão de mortes ou mais em nosso País, uns meio por cento da população. Nesta proporção morreriam em nossa Baependi em torno de 900 pessoas, não é mesmo? 

Pois bem, quem sou eu, um pediatra do interior, em confrontar com a Lancet?  Mas há exagero. Para dizer o mínimo. Para dizer ao máximo erraram longe. Baseiam-se na Itália e o que está por acontecer na Espanha.

São Países ricos com sistema de saúde sofisticado e muito, muito mais dinheiro que nós. Param por ai as nossas desvantagens.

Os Italianos abusaram no direito de errar. Erraram quando inicialmente não fizeram nenhum isolamento social, e erraram mais depois, quando resolveram isolar depois da primeira onda (isolaram o vírus dentro de casa!). Outro erro foi subestimar o poder de propagação do vírus, muitíssimo maior que imaginaram, e em superestimar o sistema de saúde (muito menor do que precisavam). Está uma carnificina completa. E repetindo na Espanha. Outros aspectos a serem considerados é a proximidade das pessoas na Itália e Espanha – a tal densidade demográfica –  infinitamente maior que a nossa, em que pese população menor.

Outro aspecto é o numero de idosos, maior lá do que cá, bem maior em relação à população. Como todos sabemos são as principais vítimas desta terrível infecção.

Em minha coluna há 1 mês atrás, aproximadamente, abordei 10 boas noticias em relação ao covid19. Ainda são validas estas boas noticias, todas. Quando ninguém sabia o que era a HCQ e a remdesivir (esta droga vai ser fundamental na diminuição da mortalidade) eu citei lá, bem como os exames que vão ser fundamentais para diminuir o espalhamento do vírus. Dizia também sobre as vacinas, sendo que agora a Americana já esta na fase 2, isto é, testes em larga escala. Em 10 meses teremos uma vacina eficaz, acredito. Antes a vacina mais rápida já produzida (ebola) demorou  5 anos.  

Concordo com o titulo desta coluninha… sou eu mesmo.

E repito: a Lancet errou mesmo, e errou feio. Mas nem por isto os números reais não são assustadores. Para se ter ideia, na Itália que tanto se fala, tiveram até agora 10.000 mortes. Os cientistas sérios, os pesquisadores sérios, incluindo aí antigos colegas meus ainda na ativa, do MS, (inclusive um que é o mais próximo que já conheci de um gênio) preveem algo entre 150 000 a 200 000 mortes em nossos País. Uma tragédia sem precedentes em nossa História.

Baependi tomou medidas tempestivas, medidas corretas e corajosas. É uma cidade com baixa densidade demográfica. Zona rural grande. Contamos com gente de muito valor na saúde pública do município, temos médicos comprometidos que amam Baependi. Um bom hospital. Na medida do possível estamos preparados. Vejam bem, na medida do possível.  

Acho um erro grave sairmos logo do isolamento horizontal. Sei do desespero de País de família que estão sem renda. De comerciantes com duplicatas e sem fluxo de entrada.  Talvez em alguns lares já haja falta do que comer. Claro que sei disto. Mas não é hora de fraquejarmos. Temos que nos organizar para que estas pessoas mais fragilizadas tenham um suprimento para este enfrentamento, que equivale a uma guerra. Sem isolamento a mortalidade pode ser terrivelmente alta, por falta da capacidade de atendimento. Baependianos podem morrer sem nenhuma assistência medica, em agonia. Não se trata de exagero. Vejam o título da coluna.

Após a primeira onda que está por vir neste mês que vem, vamos tomar pé da eficácia das medidas tomadas até agora. Do lockdown, do isolamento social e vamos ver como se comportou a nossa estrutura de saúde. Vamos achatar a curva. Fazer o flat curve.

Aí sim podemos pensar em gradativamente passar a um isolamento vertical, acredito que ao final do mês que vem.

Sim, sou um otimista incorrigível.

Acho que as autoridades de nossa cidade e nossos médicos vão ser iluminados por Deus, e teremos passado estes dias, que vão ser dolorosos, da maneira mais suave possível.

Por: Dr. Edson Lopes Libanio

Dr. Edson Lopes Libanio é o atual Presidente da Regional Sul da Sociedade Mineira de Pediatria (pela 5º vez). É diretor Médico da Clínica Baependi. Foi diretor algumas vezes da Sociedade Mineira de Pediatria e da Sociedade Brasileira de Pediatria. Foi Auditor Médico do Ministério da Saúde por 30 anos. Foi Pediatra da SES MG. Tem inúmeros outros cargos classistas em sua história de vida, desde Diretor Clínico do HCMR algumas vezes até da diretoria da AMMG. Mas gosta de ser apresentado mesmo como um Pediatra do interior.