Mais de 200 mil casos de coronavírus e 8 mil mortes em todo o mundo; SP registra mais três mortes e total de vítimas fatais no Brasil chega a 4. Pela primeira vez desde início da pandemia, não houve transmissão doméstica na China (Foto: Elaine Thompson/AP)

Pela primeira vez desde o início da pandemia, a província de Hubei, na China, não registrou nenhum caso de contaminação pelo coronavírus em um período de 24 horas. Oito pessoas morreram, mas nenhum novo paciente foi diagnosticado. No restante do país, foram anunciados 34 novos casos de Covid-19 – mas todos importados de outros países, nenhum por transmissão doméstica. Isso também aconteceu nesta quarta-feira (18) pela primeira vez.

São Paulo registrou mais três mortes por coronavírus nesta quarta-feira (18), elevando o total de vítimas fatais no Brasil para 4. Cerca de 20% dos pacientes com coronavírus em São Paulo estão internados em estado grave.

Novo balanço do Ministério da Saúde aponta 428 casos confirmados de coronavírus no Brasil, com 11.278 casos suspeitos e 1.841 descartados.

Na tarde desta quarta, o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros deram entrevista de coletiva com máscaras17 pessoas de sua comitiva que o acompanharam a uma viagem aos Estados Unidos estão com coronavírus.

O mundo registrou nesta quarta-feira (18) mais de 200 mil casos de coronavírus e ao menos 8 mil mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O diretor-geral da agência de saúde da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyersus, disse que 80% dos casos estão concentrados entre Ásia e Europa, continente que foi considerado o novo epicentro da doença.

A China tem cerca de 40% de todos os casos mundiais, e com isso é o primeiro país com mais casos, seguido pela Itália, que concentra 15% do total de infecções por Covid-19.

Em um balanço feito pela agência France Presse, a Europa já superou a Ásia em número de mortes por coronavírus. Segundo a agência, o velho continente tem ao menos 3.421 mortes, enquanto a Ásia registrou 3.384.

As autoridades de saúde da China informaram que, pelo segundo dia consecutivo, registraram apenas uma nova contaminação local por coronavírus, que se soma a 12 casos importados.

Destaques de quarta-feira (18)

Casos no RJ, SP e positivo no governo

O Brasil registrou 372 casos confirmados da doença. São Paulo segue tendo o maior número de casos confirmados: 164. Quase nove mil pessoas esperam o resultado do teste.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, Augusto Heleno, testou positivo para o novo coronavírus e aguarda contraprova. Heleno integrou a comitiva do presidente Jair Bolsonaro na viagem à Flórida (EUA), na semana passada. Ele fez um primeiro teste, com resultado negativo, e realizou um novo exame na terça-feira (17).

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, também foi diagnosticado com Covid-19, segundo o presidente Bolsonaro, assim como o presidente do Congresso, o senador Davi Alcolumbre.

A Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro investiga duas mortes com suspeita da Covid-19. Uma suspeita foi em Niterói, na região metropolitana, e a outra em Miguel Pereira, no Sul do estado. A prefeitura da capital carioca decretou situação de emergência na cidade.

Em São Paulo, o governador João Doria anunciou o fechamento de todos os shoppings centers da região metropolitana. Academias de ginástica na Grande SP também devem ter as operações encerradas até o próximo domingo (22).

Já o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, proibiu o funcionamento de todo o comércio da capital a partir de sexta-feira (20), com duração até 5 de abril. Apenas padarias, farmácias, restaurantes, supermercados, postos de gasolina e feiras livres terão autorização de funcionamento

Covid-19 em todos os EUA

Com mais de 6 mil casos de coronavírus em todos os 50 estados, os Estados Unidos registraram ao menos 114 mortes por Covid-19. Um balanço feito pela Johns Hopkins apontou que o estado de Washington foi o que mais teve mortes, com 55 até o momento.

O presidente americano, Donald Trump, decretou o fechamento da fronteira dos EUA com o Canadá. Trump anunciou também a aplicação de uma lei de defesa para usar contra a pandemia, o que vai permitir uma aceleração da produção de equipamentos para combater a doença.

Ainda nesta quarta, os EUA suspenderam o serviços referentes a emissão de vistos à imigrantes e não imigrantes de diversos países.

A Marinha dos EUA vai enviar um navio-hospital com cerca de 1 mil leitos para o porto de Nova York. A decisão do governo acompanha o aumento de novos casos no estado, que nas últimas 24 horas confirmou ao menos 1 mil infecções.

Estado de calamidade

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, decretou estado de exceção por catástrofe em decorrência da pandemia do Covid-19. Com isso, ele pode restringir reuniões em espaços públicos, estocar alimentos e impor quarentenas e toques de recolher.

Também na América Latina, o Paraguai fechou a fronteira da Ponte da Amizade, que liga o país com o estado do Paraná, no Brasil.

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, advertiu que “o mais duro ainda está por vir”, quando aumentar o número de pessoas nos hospitais pelo coronavírus.

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, participa de videoconferência com ministros sobre coronavírus, no Palácio Moncloa, em Madri, na sexta-feira (13) — Foto: Jose Maria Cuadrado Jimenez/La Moncloa/AFP

O Reino Unido anunciou o fechamento de escolas e instituições de ensino a partir de sexta-feira (20). No início do dia, o governo britânico pediu por poderes extraordinários para combater o coronavírus, como o poder de polícia para prender e isolar pessoas para proteger a saúde pública.

O governo das Filipinas declarou estado de calamidade por seis meses por causa da expansão do novo coronavírus. A medida permite que o governo tenha acesso a um fundo emergencial para combater a pandemia.

Fechamento de escolas

Escolas fechadas na Espanha para conter epidemia de Covid-19 — Foto: Alvaro Barrientos/AP

Metade dos estudantes do mundo, ou seja, mais de 850 milhões de crianças e adolescentes, estão sem aulas devido à epidemia de coronavírus, segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Com o fechamento total de escolas e universidades em 102 países e o fechamento parcial em outros 11 em consequência da pandemia, o número de estudantes sem aulas dobrou em quatro dias e deve continuar aumentando, destacou a Unesco em um comunicado.

Cidade vazia

Veneza, Itália — Foto: Andrea Pattaro/AFP

Com ausência de turistas em Veneza, na Itália, por conta das medidas de restrições adotadas no país para evitar a proliferação do novo coronavírus, os famosos canais da cidade voltaram a ter água mais clara e nítida.

Segundo a prefeitura, a circulação dos barcos faz com que resíduos marítimos atingem a superfície da água e em consequência a coloração fica mais escura. Nas redes sociais, moradores comemoraram e relataram a aparição de peixes.

Líderes subestimaram pandemia

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, admitiu que os líderes políticos subestimaram o perigo representado pela pandemia.

“Acredito que todos que todos nós que não somos especialistas subestimamos, inicialmente, o coronavírus. Mas ficou muito claro que este é um vírus que nos manterá ocupados durante muito tempo”, declarou Von der Leyen, em uma entrevista ao jornal alemão “Bild”.

Fonte: Portal G1