Em Caxambu e São Lourenço, a rede hoteleira tem oferecido aos turistas a remarcação das hospedagens pelo período de até um ano (Foto: Reprodução EPTV)

A pandemia do novo coronavírus já reflete no movimento do turismo em duas cidades do Sul de Minas. Em Caxambu e São Lourenço, no Circuito das Águas, a rede hoteleira tem oferecido aos turistas a remarcação das hospedagens pelo período de até um ano.

Pelas ruas de Caxambu, o movimento ainda não diminuiu tanto. Já no Parque das Águas, pela manhã, havia poucos visitantes e só nas fontes. Durante a tarde, a Codemge informou que o parque ficará fechado por tempo indeterminado.

“O setor hoteleiro, o setor do turismo em geral, está sendo muito impactado. A gente está tentando negociar, conversar com os hóspedes, para que eles remarquem as agendas com prazo amplo, os hotéis estão adotando essas políticas, estão tentando fazer essa postura, mas realmente o setor está sendo muito impactado”, disse o secretário de Turismo e Cultura de Caxambu, Filipe Condé.

O Circuito das Águas tem cerca de 10 mil leitos em hotéis e pousadas. A maioria, cerca de 7,5 mil, em Caxambu e também em São Lourenço.

Segundo o presidente da associação de empresários do setor de turismo, cancelamentos são feitos todos os dias. O que acabou impulsionando uma campanha com incentivos para que os hóspedes não cancelem e, sim, remarquem as viagens.

“Oitenta porcento das pessoas que estão nos procurando com informação e até pedindo para cancelar, a gente consegue fazer o remanejamento e esse remanejamento nós estamos dando um período de 365 dias, ou seja, as pessoas podem reagendar sua viagem ao nosso hotel até um ano”, disse o presidente do Convention Bureau, Alexandre Melo.

Por enquanto não tem jeito. A recomendação é mesmo evitar qualquer tipo de viagem desnecessária. São Lourenço mesmo, que costuma receber muitos visitantes aposentados, também tem um grande número de idosos: 6.128. Justamente o grupo mais afetado pelo novo coronavírus.

Um comitê para enfrentamento ao vírus foi criado na cidade e algumas medidas já devem ser adotadas.

“A primeira coisa é evitar aglomerados, então todos os lugares onde tenham aglomerados de pessoas, como restaurantes, bares, o Trem das Águas, tudo isso vai ser notificado para diminuir ou suspender. Restaurante não vai suspender, vai diminuir provavelmente o número de mesas, bares não serão abertos, o Trem das Águas vai deixar de funcionar por enquanto”, disse o médico do comitê de enfrentamento do COVID-19, Leonardo Palma de Godói.

A expectativa é que a situação possa voltar ao normal em até três meses. “Nós acreditamos aqui que julho vai ser uma grande temporada, vai ser uma grande férias em julho, de forma que a gente consiga minimizar todo esse impacto dos próximos três meses que a gente tem pela frente”, completou o presidente do Convention Bureau, Alexandre Melo.

Fonte: Portal G1