Documento é entregue no ano em que o queijo produzido no município completa cem anos

Da redação: Juliana Carvalho

O queijo de Alagoa, conhecido por seu sabor único e inconfundível, foi oficialmente reconhecido por suas características. A cerimônia de entrega do certificado de caracterização do queijo aconteceu no dia 18 de fevereiro, no Centro de Eventos.

O certificado é uma grande vitória para o município e os produtores de queijo, que agora são oficialmente reconhecidos, e um presente no ano em que se comemora cem anos do produto. Em entrevista ao Jornal Panorama, o representante da Emater do município, Júlio Cesar Fleming, explicou o que o documento representa. “O queijo ainda não era reconhecido e essa caracterização é como se fosse uma certidão de nascimento. Quando se fala em queijo mozarela, todo mundo sabe o que é; mas e o queijo Alagoa? Então, a Embrapa e a Emater vieram aqui, pegaram várias amostras de queijo e foram analisando a cor, sabor, tempo de maturação, acidez, e isso caracterizou o queijo”, explicou.

O processo durou seis anos, com análises da água, do solo, do leite e até mesmo da alimentação da vaca; e a partir de agora, o queijo está apto a entrar no programa do Governo Federal específico para queijo artesanal. “Através dessa caracterização, vai ser criado um regulamento técnico de identidade e qualidade do queijo para que a fiscalização seja possível. Tanto a prefeitura quanto estado e governo federal vão dar esse apoio para os produtores, especialmente na legislação, criando leis e estrutura para fiscalizar e ajudar o produtor”, completou.

O prefeito Juliano Diniz destacou a importância desse reconhecimento para o município. “É a conclusão de um trabalho que começou anos atrás. Com essa certificação, os produtores de Alagoa poderão comercializar seus produtos em outros municípios e até mesmo em outros estados, agregando valor ao produto. A prefeitura vem apoiando de forma integral os produtores, por meio da secretaria de Agricultura”, disse o prefeito.

A cerimônia contou com a participação de representantes da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Sebrae, Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais), Sebrae, Seapa (Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais), Aproalagoa (Associação dos Produtores de Queijo Artesanal de Alagoa) e prefeitura municipal.

Osvaldo Filho, um dos grandes incentivadores do queijo artesanal de Alagoa, falou da emoção de participar de um momento tão importante para a cidade. “Alagoa é tradicional em produção de queijo que começou há cem anos com Pascoal Popa e dona Luiza Altomare e de lá pra cá, essa tradição vem passando de pai pra filho. Comecei a vender queijo em 2009 e somos pioneiros na venda do queijo artesanal pela internet para ajudar um produtor daqui, o seu Batistinha. E desde então a gente vem defendendo o queijo Alagoa, um queijo único, singular, e hoje é uma satisfação imensa ter todos esses órgãos aqui reunidos para certificar e caracterizar o queijo de Alagoa. É um marco na história da cidade”, contou.

Ao fim do encontro, os produtores de queijo do município entregaram seus produtos aos representantes das empresas parceiras no projeto. Agora, o queijo artesanal de Alagoa tem seu valor oficialmente reconhecido e valorizado.